Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Quando Soares confundiu o CDS com o PP e Ribeiro e Castro com o PS

  • 333

A última campanha presidencial de Mário Soares foi uma prova para o candidato, mas também para os jornalistas. Houve momentos de grande confusão e este foi seguramente o mais confuso de todos. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o sétimo capítulo

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Jornalista da secção Política

A terceira campanha presidencial de Mário Soares, em 2006, foi tão abundante em casos e gaffes como pobre em votos no final do caminho. Foi o pior resultado eleitoral de sempre para Soares, mas animação não faltou a quem seguia, todos os dias, os passos do candidato. A propensão do antigo PR para frases bombásticas ou incompreensíveis obrigava os jornalistas da rádio a ter os gravadores sempre ligados.

Apesar dessa atenção permanente e redobrada, um dos ditos mais extraordinários que Soares proferiu em toda a campanha não teve qualquer impacto mediático. A proximidade do natal pode ter ajudado a que tal acontecesse. Foram os blogues que evitaram que ficasse para sempre esquecida uma das anedotas das presidenciais 2006, uma gaffe de Soares à antiga.

23 de dezembro, Coimbra. Depois de um dia a percorrer vilas, vilórias e aldeias, Soares teve um jantar-comício. No final, embora visivelmente esgotado, ainda aceitou fazer mais umas declarações aos jornalistas. Perguntaram-lhe sobre uma intervenção feita nesse dia pelo então líder do CDS-PP, José Ribeiro e Castro. O presidente do CDS tinha feito uma declaração em que associava a esquerda a grandes crimes contra a humanidade. Soares comentou, claro. Foi assim:

Jornalista: "Ficou chocado com aquilo que disse o líder do PP?"

Soares: "Não, não foi o líder do PP que disse isso. Aquela coisa a que eu me referi do terrorismo foi o líder do CDS que disse isso, o dr. Ribeiro e Castro, que é uma coisa inaceitável e impossível. Ele diz aquilo… ele é, ainda por cima, deputado do Partido Socialista… um dos grandes grupos do Partido Socialista é o Partido Socialista… o Partido Socialista Europeu… Imagine lá como é que ele vai entender--se com os colegas do Parlamento a dizer dessas coisas aqui no plano interno… E é feio, não é bonito e… é uma pena que seja um dos mais entusiásticos, senão o mais entusiástico, apoiante do dr. Cavaco nesta eleição."

Pode ler outra vez, mas é escusado: vai continuar a não fazer sentido. Na altura, os jornalistas estranharam, mas não deram relevo. O staff de Soares arrepiou-se, mas fez figas de que ninguém desse conta. E Soares foi dormir para o carro, enquanto voltava a Lisboa.

Só três dias depois os colaboradores de Soares lhe chamam a atenção para “uma coisa chata que o senhor disse” e que estava a provocar gargalhadas nos blogues - a blogosfera era uma coisa então ainda nova, mas que começava a ter algum peso nas dinâmicas de campanha.

Explicaram a Soares o que era, e este reagiu em negação. Garantiu que nunca tinha dito tal coisa. “Lá estão eles!…”, protestava, acusando “a direita” de inventar mentiras. “Quem é que escreveu isso? Onde é que está uma cassete que tenha isso gravado? Mostrem-me uma cassete!” Bastou um clique: as imagens, que tinham passado discretamente na SIC Notícias em época de Natal, já estavam nos blogues dos apoiantes de Cavaco.

“Estou com um ar muito cansado nessa imagem” - foi o único comentário de Soares.

  • Quando Sampaio defendeu a honra de Cavaco e calou um apoiante

    Jorge Sampaio nunca foi o político habitual, muito menos em campanha no terreno. Às vezes desconcertava os seus próprios apoiantes, como na vez em que deu um raspanete público a um apoiante que resolveu chamar “ladrão” a Cavaco Silva, seu opositor nessas presidenciais. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o sexto capítulo

  • Como Guterres mudou os debates para sempre e as arrobas chegaram ao estrelato

    António Guterres é provavelmente o político mais dotado em televisão que vimos em muitos anos. Ao pé dele, mesmo Paulo Portas ou Francisco Louçã eram “apenas” bons. Guterres tinha tanta confiança nos debates parlamentares e televisivos que mudou as suas regras para sempre. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o quinto capítulo

  • O PIB de Guterres contado na primeira pessoa

    A política portuguesa está cheia de gaffes, mas esta é a mais célebre de todas. Tão célebre que, na verdade, nem sequer é uma gaffe e ficou assim cunhada para a história. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o quarto capítulo, contado por Ricardo Costa - que fez a famosa pergunta a Guterres

  • O carnaval de Santana

    Uma campanha que parou ao segundo dia e uma inesperada visita a São Bento, com Santana a oferecer chás e cafés. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o terceiro capítulo

  • E Soares beijou o anão…

    Depois de o Expresso ter publicado em três etapas a retrospetiva dos melhores debates televisivos em Portugal, agora prossegue com uma nova série: histórias de campanha. A um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o segundo capítulo

  • “Consigo ainda dava uma cambalhota!”

    Depois de o Expresso ter publicado em três etapas a retrospetiva dos melhores debates televisivos em Portugal, agora arranca com uma nova série: histórias de campanha. A um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas

  • Viagem aos melhores debates televisivos em Portugal (etapa 1)

    Soares vs Cunhal, cigarros e mais cigarros, Soares contra Zenha, Freitas e Soares numa eleição épica e, claro, o célebre dia em que Marcelo, o rei da comunicação, perdeu o pio frente a Sampaio e lhe entregou a Câmara de Lisboa numa bandeja. Os nossos debates televisivos têm muito que contar. Por isso, puxámos da nossa memória seletiva e contamos tudo. Primeira etapa de uma viagem que continua nos próximos dias

  • Viagem aos melhores debates televisivos em Portugal (etapa 2)

    Nesta etapa há de tudo: do violento Basílio vs. Soares de 1991 ao debate que Jerónimo venceu por estar... afónico. Pelo meio, temos o importante Guterres/Nogueira, a vez em que o primeiro-ministro Guterres quis fazer debates sucessivos contra todos e o único confronto entre os irmãos Paulo e Miguel Portas. Quase no fim, a inequecível noite em que Santana e Sócrates se enfrentaram. Segunda etapa de uma viagem que terá ainda um terceiro e último capítulo

  • Viagem aos melhores debates televisivos em Portugal (etapa 3)

    Lembra-se de quando Carrilho deixou Carmona de mão estendida? E da noite em que Soares e Alegre se enfrentaram num estúdio televisivo? Neste artigo lembramos esses debates, mais o Cavaco/Alegre e dois dos melhores dos últimos anos: Sócrates contra Louçã em 2009 e o Passos vs. Sócrates em 2011. Terceira e última etapa da nossa viagem aos melhores debates televisvos em Portugal