Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Portas e Passos (quase) sempre juntos na estrada

  • 333

Mário Cruz/ Lusa

Líderes da coligação começam este fim de semana a “maratona” que os leva a todo o país. A regra é andarem sempre juntos; as agendas autónomas serão a exceção

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Jornalista da secção Política

Ruas, praças, feiras, mercados, IPPS, fábricas... Pedro Passos Coelho e Paulo Portas tudo calcorrearão, de norte a sul, lado a lado, dando mostra da unidade e coesão da coligação governamental. Conforme o Expresso noticiou em primeira mão na sua edição de 30 de maio, o Portugal à Frente (PàF) terá uma única campanha nacional, liderada por Passos e Portas, juntos e ao vivo.

Esta é a regra; as agendas autónomas dos dois líderes partidários serão a exceção. Por exemplo, no dia 17, quando Portas vai aos Açores e Passos tem o debate radiofónico com António Costa, seguindo, depois, para o distrito de Setúbal. Nos 21 dias que durará a "Maratona Portugal à Frente" (nome da volta nacional da coligação), há seis momentos em que Passos vai por um caminho e Portas por outro - mas, mesmo nesses dias, têm agenda conjunta.

A "maratona" arranca já este sábado, em Braga e no Porto, seguindo depois para Aveiro. Há contactos de rua, um mercado, uma feira, festas populares e encontros sectoriais. No sábado à noite, um jantar na Alfândega do Porto, para cerca de mil pessoas, já anunciado como estando esgotado. Segundo o diretor de campanha, o social-democrata Matos Rosa, a agenda deste fim de semana exemplifica bem o tipo de campanha que será feita pelos partidos do poder.

De sábado até 2 de outubro, a sexta-feira antes das eleições, a caravana irá a todos os distritos do continente, mas mais a uns do que a outros. O destaque vai para Lisboa e Porto, que elegem maior número de deputados. Lisboa é o distrito por onde Passos e Portas mais andarão: ao todo, há cinco dias em que a campanha passa pelo distrito da capital - onde, de acordo com as sondagens da coligação, as perdas eleitorais poderão ser mais preocupantes. No Porto, apesar de não haver esse alerta vermelho, há a preocupação de segurar o bom resultado que os estudos de opinião parecem indicar, pois estão igualmente muitos deputados em jogo - serão três as incursões de Passos neste distrito, a que se junta mais uma de Portas a solo.

Quase tão preocupante para a coligação como Lisboa é Setúbal - e atenção dada aos concelhos a sul do Tejo prova isso mesmo: serão três visitas de Passos Coelho, e ainda mais uma de Portas em agenda autónoma.

Logo a seguir nos mais visitados surgem Braga e Aveiro: vão receber duas visitas de Passos e mais uma, de reforço, só com Portas.

Como é habitual, a campanha termina nas duas grandes áreas metropolitanas, com comícios no Porto, no dia 1, e em Lisboa, no dia 2. Além destes haverá apenas mais um comício, a 23 de setembro, em Vila Real, o distrito onde Passos costumava ser candidato.