Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

“Portugal deve mostrar profunda solidariedade dentro das suas possibilidades”

  • 333

FOTO José Sena Goulão

Cavaco Silva apelou à Europa para responder à crise dos refugiados, tendo em conta a “defesa dos valores” e os “princípios da dignidade humana”

O Presidente da República defendeu hoje que Portugal deve manifestar “a sua profunda solidariedade” para com os refugiados que chegam à Europa fugindo da guerra e, dentro das suas possibilidades, acolhe-los para que possam recomeçar uma vida nova.

“Aos que buscam a Europa fugindo da guerra, Portugal deve manifestar a sua profunda solidariedade e, dentro das suas possibilidades, criar condições para o seu acolhimento, para que, com as suas famílias, possam recomeçar uma vida nova”, afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, numa intervenção na cerimónia de entrega do Prémio Champalimaud de Visão, que decorreu na Fundação Champalimaud, em Lisboa.

Cavaco Silva deixou ainda um “veemente apelo” para que “a Europa, face à tragédia que se abate sobre milhares de pessoas, se destaque, uma vez mais, pela defesa dos valores e os princípios da dignidade humana”.

“Trata-se de um imperativo ético, que nos caracteriza como cidadãos da Europa e que devemos preservar em nome de um mundo melhor”, sublinhou.

De acordo com os dados divulgados hoje pela Organização Internacional para as Migrações, perto de 365.000 migrantes e refugiados atravessaram o Mediterrâneo desde janeiro e mais de 2.700 morreram. Mais de 245.000 chegaram à Grécia e mais de 116.000 à Itália.

Na semana passada, o Governo português decidiu criar um grupo de trabalho para estudar a estratégia para receber os refugiados em Portugal, coordenado pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Além do SEF, integram este grupo representantes do Instituto da Segurança Social, Instituto do Emprego e da Formação Profissional (IEFP), Direcção-Geral de Saúde, Direcção-Geral da Educação e Alto Comissariado para as Migrações.
Portugal irá acolher cerca de 1.500 migrantes e será o grupo de trabalho para a Agenda Europeia para as Migrações que irá estudar esse acolhimento e o plano de ação.

O grupo de trabalho vai proceder “à aferição da capacidade instalada e à preparação de um plano de ação e resposta”, em “matéria de reinstalação, relocalização e integração dos imigrantes, devendo apresentar um relatório das atividades desenvolvidas, suas conclusões, propostas e recomendações”.

Portugal, através do SEF, já está a colaborar com peritos da Grécia, Bulgária e Itália em diversas ações e projetos, destacando a colaboração de um perito no Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo.