Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

E Soares beijou o anão…

  • 333

Depois de o Expresso ter publicado em três etapas a retrospetiva dos melhores debates televisivos em Portugal, agora prossegue com uma nova série: histórias de campanha. A um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o segundo capítulo

Henrique Monteiro

Henrique Monteiro

Redator Principal

Quando a caravana de Mário Soares nas presidenciais de 1986 andava por terras do Algarve, a parar a cada momento, tanta era a gente que queria cumprimentar o candidato, deu-se o talvez o episódio mais caricato de todos os episódios caricatos que envolveram aquele que era na altura (e, de certo modo continua) o mais carismático dos políticos portugueses.

Estávamos, salvo erro, na segunda volta, que opunha Soares a Freitas do Amaral (na altura tido pela esquerda como quase fascista).

Chegados a Faro, logo uma pequena multidão envolve Soares. Os candidatos não têm descanso; devem por obrigação de campanha apertar a mão às velhinhas, dar beijos às criancinhas, abraços e palmadas nas costas aos homens. Mário Soares era exímio, ou não fosse ele o mais expansivo e experiente dos políticos portugueses.

Estava, pois, em Faro, ali perto do hotel Eva, rodeado de gente, as crianças à frente, numa algazarra, na disputa dos autocolantes e, quem sabe, de umas palas para o Sol, e o candidato a distribuir beijinhos aos meninos.

Tudo ia bem, até que uma dessas crianças esperneou de mais. Não era para admirar: Mário Soares preparava-se para beijar um anão, que por ali vendia lotaria.

Ao dar pelo erro, largou-o e seguiu em frente. Quase ninguém deu por isso, mas eu relatei o episódio no semanário ‘O Jornal’, o antepassado da revista ‘Visão’. Há cenas que nunca se esquecem.

  • “Consigo ainda dava uma cambalhota!”

    Depois de o Expresso ter publicado em três etapas a retrospetiva dos melhores debates televisivos em Portugal, agora arranca com uma nova série: histórias de campanha. A um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas

  • Viagem aos melhores debates televisivos em Portugal (etapa 1)

    Soares vs Cunhal, cigarros e mais cigarros, Soares contra Zenha, Freitas e Soares numa eleição épica e, claro, o célebre dia em que Marcelo, o rei da comunicação, perdeu o pio frente a Sampaio e lhe entregou a Câmara de Lisboa numa bandeja. Os nossos debates televisivos têm muito que contar. Por isso, puxámos da nossa memória seletiva e contamos tudo. Primeira etapa de uma viagem que continua nos próximos dias

  • Viagem aos melhores debates televisivos em Portugal (etapa 2)

    Nesta etapa há de tudo: do violento Basílio vs. Soares de 1991 ao debate que Jerónimo venceu por estar... afónico. Pelo meio, temos o importante Guterres/Nogueira, a vez em que o primeiro-ministro Guterres quis fazer debates sucessivos contra todos e o único confronto entre os irmãos Paulo e Miguel Portas. Quase no fim, a inequecível noite em que Santana e Sócrates se enfrentaram. Segunda etapa de uma viagem que terá ainda um terceiro e último capítulo

  • Viagem aos melhores debates televisivos em Portugal (etapa 3)

    Lembra-se de quando Carrilho deixou Carmona de mão estendida? E da noite em que Soares e Alegre se enfrentaram num estúdio televisivo? Neste artigo lembramos esses debates, mais o Cavaco/Alegre e dois dos melhores dos últimos anos: Sócrates contra Louçã em 2009 e o Passos vs. Sócrates em 2011. Terceira e última etapa da nossa viagem aos melhores debates televisvos em Portugal