Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Sondagem: coligação volta a subir e PS a cair

  • 333

Um ponto percentual separa agora as duas forças. É a menor diferença registada desde que António Costa chegou à liderança do PS. Na popularidade, Passos regista saldo positivo. Não são boas notícias para o Largo do Rato

Bernardo Ferrão

Bernardo Ferrão

Subdiretor da SIC

Longe das (elevadas) expectativas que se criaram com a chegada de António Costa ao topo do PS, a sondagem de setembro, a um mês das eleições, não traz bons resultados para o Partido Socialista. Entre PS e coligação a diferença é agora de apenas um ponto percentual – o que se traduz num empate técnico (para não dizer num cenário de pântano) –, tratando-se por isso da menor diferença registada desde que Costa assumiu o lugar de António José Seguro.

Na comparação entre os estudos da Eurosondagem efetuados depois do anúncio da coligação Portugal à Frente (a 25 de abril), é notório como o PS tem vindo a perder nas intenções de voto, ao mesmo ritmo que a direita tem ganho terreno. Se em maio a diferença entre os dois blocos era de 4,5 p.p., em junho passou para 3,6 p.p., em julho 2,1 p.p., em agosto 1,5, e agora, em setembro, aparecem praticamente colados.

Nas intenções de voto, o partido socialista apresenta-se com 36%, recuando três décimas face ao último barómetro. E o PàF está com 35%, tendo ganho duas décimas no último mês. À esquerda, e depois do debate desta semana entre Catarina Martins e Jerónimo de Sousa – onde os muitos ataques ao PS deixaram perceber como PCP e BE estão preocupados com a dramatização do voto útil -, comunistas e bloquistas aguentam os resultados. Em ambos os casos as variações são ligeiras. Mas o destaque vai para o bom score da CDU, com 10,4%.

Nota importante, estes resultados estão já projetados com os indecisos, mas vale a pena isolá-los. Esta fatia de eleitores, que ainda não sabe o que vai fazer a 4 de outubro, permanece demasiado elevada (e não diminuiu): 21,1%. É neles que já se concentram todos os esforços, com pedidos de maioria absoluta e de “resultados politicamente inequívocos”, numa dramatização que, pelo que se vê nesta sondagem, ainda não está a conseguir fazer o seu caminho. Em maio, o voto concentrado no chamado bloco central era de 71,7%, agora diminuiu para os 70%. Bem longe dos 78,5% de votos que PSD, CDS e PS conseguiram nas legislativas de 2011.

Nota ainda para a popularidade. Costa é o líder que continua a registar o melhor saldo entre as opiniões positivas e negativas, mas Passos entrou este mês em terreno positivo, o que já não acontecia desde outubro de 2012.

Ficha técnica Expresso / SIC / Eurosondagem

Estudo de Opinião efetuado pela Eurosondagem S.A. para o Expresso e SIC, de 27 de Agosto a 2 de Setembro de 2015. Entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O Universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por Região (Norte – 20,2%; A.M. do Porto – 14,2%; Centro - 29,1%; A.M. de Lisboa – 26,7%; Sul – 9,8%), num total de 1.040 entrevistas validadas. Foram efetuadas 1.267 tentativas de entrevistas e, destas, 227 (17,9%) não aceitaram colaborar Estudo de Opinião. Foram validadas 1.040 entrevistas. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo, e desta forma aleatória resultou, em termos de sexo, (Feminino – 51,9%; Masculino – 48,1%) e, no que concerne à faixa etária, (dos 18 aos 30 anos – 18,3%; dos 31 aos 59 – 49,7%; com 60 anos ou mais – 32,0%). O erro máximo da Amostra é de 3,04%, para um grau de probabilidade de 95,0%. Um exemplar deste Estudo de Opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.