Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Bagão Félix. Crise de refugiados “vai determinar o fim da UE”

  • 333

Nuno Botelho

O antigo ministro das Finanças sublinha que a Europa está “completamente fragmentada”. Lamentou ainda o silêncio de Bruxelas

António Bagão Félix lamenta a forma como a Europa está tratar a crise de refugiados. No habitual espaço de comentário, esta quarta-feira, na SIC Notícias, o antigo ministro do Trabalho e das Finanças disse que esta pode ser a questão que pode por um ponto final na união.

“Isto é o elemento que vai determinar o fim da União Europeia. Depois vai continuar, mas é uma questão meramente formal”, disse.

Na sua opinião, o velho continente está “completamente fragmentado do ponto de vista humano”. “Todos os esforços, pelo menos neste assunto, têm de ser convergentes. E isso não está a acontecer. O que vemos na Europa de Leste é um vergonha”, referiu.

“O presidente da Comissão Europeia desapareceu. Está de férias?”, questionou o ex-ministro do Trabalho relativamente ao silêncio de Jean-Claude Juncker e por parte das instituições europeias sobre esta questão. “Do Parlamento Europeu também nada”, acrescentou.

Bagão Félix disse ainda que, “para resolver situações como a da Grécia até se marcam reuniões de um dia para o outro, mas neste caso são precisas duas ou três semanas. É a passo de caracol. Um ritmo desumano”.

“Neste momento não podemos resolver o problema na origem” e isso, na opinião de Bagão Félix, também é em parte culpa do Ocidente, que tenta “passar a receita” a países com uma culura e realidade totalmente diferentes.

Nos próximos tempos, Portugal irá receber 1500 refugiados , um número com que o comentador concorda e acredita que o país poderá acolher. “Não vão piorar a nossa situação. Nem vão resolver a questão demográfica em Portugal ou na Europa”, sublinhou.

“Antigamente, os muros - como o de Berlim - serviam para não deixar as pessoas sairem. Agora, servem para impedi-las de entrar”, concluiu.