Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

7 debates: um guia para os (t)ver

  • 333

Esqueça o debate entre todos. Os partidos não se entenderam e as TV desistiram. Agora sobram os frente a frente. Mas nem todos discutem com todos. Catarina Martins é a única a fazer o pleno

Bernardo Ferrão

Bernardo Ferrão

Subdiretor da SIC

Passos-Costa / 9 set. / RTP1, SIC e TVI

O debate dos debates

A partir do Museu da Eletricidade será emitido em simultâneo pelas três TV generalistas. E é, por todas as razões, considerado o frente a frente da temporada que pode funcionar como um decisivo tira-teimas. Se as sondagens de setembro continuarem a dar um empate entre as principais forças, este encontro pode virar o jogo. Passos parte com vantagem: domina as pastas e está mais experimentado em debates. Costa tem menos à-vontade (lembrem-se os debates com Seguro) e tem mais a provar.

Passos-Catarina Martins / 11 set? / RTP Inf.

“A sua palavra não vale nada”

A acusação da líder do BE a Passos Coelho agitou o Parlamento em março do ano passado. O PM recusou responder e os deputados do Bloco abandonaram o hemiciclo. A relação entre ambos tem sido (in)tensa, Catarina — que será a única a debater com todos — já disse que Passos “mente” ao país, que faz “vendas de garagem” (referindo-se às privatizações), que “afundou o país”, que é a “Alice no país das maravilhas” e até já o apelidou de “caloteiro”. Enfim... vai ser quente. E Passos vai querer responder?

Portas-HeloÍsa Apolónia / 10 set? / TVI24

O debate que era para ser mas não vai ser

Este era o frente a frente Passos Coelho-Jerónimo de Sousa. Mas com a polémica da entrada de Portas (e dos Verdes) tudo mudou. O PM indicou o parceiro da coligação e Jerónimo, na retaliação, faz-se representar por Heloísa Apolónia. “Encantado”, reagiu o líder do CDS que disse que “em democracia não despreza ninguém”. Os dois líderes já debateram muito no Parlamento, mas esta será a primeira vez que se encontram num frente a frente televisivo. Heloísa não é fácil. Mas Portas tem a escola toda.

Costa-Catarina Martins / 14 set. / TVI24

Um frente a frente com o Syriza?

No debate com a líder do BE, o partido-irmão dos gregos de Tsipras, Costa até se pode sentir tentado a colar o bloco ao Syriza, mas o socialista está de mãos atadas e sabe que esse é um caminho perigoso (foi ele quem primeiro se agarrou aos “radicais”). Irá Catarina aproveitar o calcanhar de Aquiles de Costa? Em confronto vão estar dois partidos que não morrem de amores um pelo outro. O líder do PS já o mostrou várias vezes. E para o BE a dramatização do voto útil dos socialistas é o maior inimigo.

Costa-Jerónimo / 11 ou 15 set. / SIC-N

Até que a voz lhe doa

A direita estará atenta, na esperança de que este debate (tal como o Costa-Catarina Martins) mostre ao país a impossibilidade de qualquer acordo à esquerda para um governo estável. É verdade que Jerónimo já disse que está “em condições de assumir responsabilidades, incluindo governativas.” Mas desengane-se quem acha que se trata de um piscar de olho a Costa. O objetivo do PCP (e do BE) é tão-somente quebrar a “perigosa” bipolarização que se desenha para as legislativas. Quanto ao frente a frente fica o alerta para Costa: Jerónimo é muito popular e até sem voz (como aconteceu num debate em 2005) sai em alta.

Jerónimo-Catarina / 1 set. / RTP Inf.

Entendimento (im)possível?

Sempre que as esquerdas se encontram há uma conclusão que tiramos: são mais as semelhanças do que as diferenças. Mas pensar num acordo, e citando António Costa, só se houvesse “uma ameaça de invasão de marcianos”. Os dois partidos jogam no mesmo território e nestas eleições o PCP quer deixar claro que é o verdadeiro partido de esquerda. Resolvidas as questões internas, a líder do BE parte para o confronto com mais força... mas a cassete Jerónimo tem público (e eleitores) garantido.

Portas-Catarina / 8 set. / SIC-N

Submarinos e perguntas inconvenientes

Tal como no Parlamento, onde estão frente a frente, também na TV não vão aligeirar o embate. Catarina Martins falará dos submarinos, do “irrevogável” e de um CDS que era dos contribuintes, da lavoura, dos reformados e que se tornou num braço da troika (cada vez mais diluído no PSD). Mas, no contra-ataque, Portas aposta sobretudo nas perguntas: porque não reuniram com a troika? Defendem ou não saída do euro? Estão disponíveis para se coligarem com o PS? E a isto há que somar a questão grega. Definitivamente não será um debate fácil para o BE.