Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Marques Mendes. Rangel “não tem razão” ao trazer para a campanha o caso de Sócrates

  • 333

Marques Mendes comenta a atualidade política no Jornal da Noite da SIC

D.R.

Em causa estão as declarações do eurodeputado do PSD Paulo Rangel, este sábado, na Universidade de Verão social democrata, criticadas pelo Partido Socialista

Luís Marques Mendes disse este sábado, durante o seu comentário na SIC, que o eurodeputado do PSD Paulo Rangel “não tem razão” no momento em que traz para a campanha eleitoral o caso da investigação do ex-primeiro-ministro José Sócrates.

Em causa estão as declarações de Paulo Rangel este sábado na Universidade de Verão do PSD. Por um lado, o eurodeputado elogiou o “ataque sério e consistente” feito nos últimos tempos à “corrupção e promiscuidade” em Portugal, fazendo referências aos casos de investigação de José Sócrates e de Ricardo Salgado. Por outro lado, Rangel questionou se o mesmo teria acontecido se estivessem os socialistas no poder.

O Partido Socialista reagiu às palavras de Paulo Rangel, acusando o PSD de estar a fazer “uma tentativa clara de partidarização da justiça” e exigindo a Pedro Passos Coelho que clarifique se se reconhece nas declarações do eurodeputado, segundo as palavras de Francisco Assis.

Marques Mendes defende Rangel na medida em que considera que atualmente “o ambiente é melhor” em termos de justiça e de liberdade de investigação. Por outro lado, considera que o eurodeputado não tem razão em puxar “o caso de José Sócrates” para a campanha, apontando três razões.

“Acho que é perda de tempo, porque não dá um voto”, aponta em primeiro lugar. “É introduzir uma política de casos e o país precisa de causas, não de casos.” Marques Mendes diz ainda que “para o cidadão comum fica a ideia de que a justiça depende da politica”, ainda que considere que não foi isso que Paulo Rangel disse. “Mas a forma como disse permite essa leitura. Preferia que ele não tivesse introduzido a questão de Sócrates.”

Em reação às declarações de Rangel, o primeiro-ministro disse não comentar “casos de justiça”. “Creio que o Dr. Paulo Rangel se estava a referir, no essencial, ao clima que se vive e que não decorreu apenas de medidas que tivessem sido tomadas por este Governo, mas que tem permitido que os cidadãos avaliem o funcionamento da justiça de uma forma mais positiva do que no passado, afirmou Passos Coelho este sábado, falando aos jornalistas, à margem da visita que efetuou à Agrival, em Penafiel.