Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Presidenciais. Isto faz-se por 12 mil euros, mas para ganhar custa mais de €1 milhão

  • 333

RUI OCHOA

Há quatro anos, José Manuel Coelho fez a festa com 12 mil euros e ainda lucrou. Já Cavaco Silva gastou 1,8 milhões para chegar a Belém

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Jornalista da secção Política

Os candidatos a candidatos presidenciais fazem as contas à vida e hesitam. Pudera: uma campanha presidencial pode fazer barulho com pouco dinheiro, mas não ganha nada se não abrir os cordões à bolsa. Em 2011, houve orçamentos para todos os gostos - José Manuel Coelho fez a coisa por pouco mais que dez mil euros. Mas quem queira alimentar alguma expectativa de vitória terá de pensar bem acima de um milhão. À cautela, o melhor é ter um partido pelas costas.

Olhando para as contas da duas últimas eleições, uma campanha presidencial ganhadora não se faz por menos do que um milhão e meio de euros - e isto, numa estimativa muito por baixo, tendo em conta que, em 2011, as campanhas de Cavaco Silva e Manuel Alegre custaram, cada, quase um milhão e oitocentos mil euros. Para ser rigoroso, Cavaco declarou despesas de €1.791.576,90 (e receitas exatamente no mesmo valor, até ao cêntimo), e Alegre gastou €1.727.933,91 (bastante mais do que os 1.305.858,73 que conseguiu recolher de receitas).

Mas é possível ter uma candidatura vistosa, e com impacto, por praticamente metade destes valores. Foi o que fez Fernando Nobre, cuja campanha, há quatro anos, custou 862 mil euros (a receita declarada foi à medida) - um valor que não impediu o candidato independente de conquistar quase 600 mil votos.

Com o dobro dos custos, Manuel Alegre ficou muito longe de ter o dobro dos votos (ficou-se pelos 832 mil eleitores). Aliás, cinco anos antes de Fernando Nobre, já Alegre tinha demonstrado que não é preciso um orçamento colossal para alcançar resultados surpreendentes: em 2006, o poeta, que se apresentou como independente, gastou 850 mil euros, numa campanha que deu lucro financeiro (ultrapassou o milhão de euros de receitas recolhidas) e político (foi o segundo mais votado).

Gastos cada vez mais apertados

Na comparação entre 2006 e 2011, se há facto que salta à vista é a contenção da despesa. Os 850 mil euros que Manuel Alegre gastou em 2006 são ainda mais supreendentes quando comparados com os custos das campanhas dos dois principais candidatos nessa eleição. Nesse ano, a candidatura de Mário Soares gastou quase três milhões e meio de euros (sendo apenas o terceiro mais votado, bem atrás de Cavaco e Alegre); a de Cavaco, que venceu a eleição à primeira volta, ficou quase nos três milhões e duzentos mil euros (e, com receitas de quase quatro milhões, declarou, imagine-se, 740 mil euros de lucro...).

Voltando aos valores de 2011, o comunista Francisco Lopes apresentou uma campanha longe dos custos de Cavaco e Alegre, mas no mesmo campeonato de Fernando Nobre: gastou 634 mil euros.

O campeonato dos pequeninos

No final da tabela, os dois candidatos mais comedidos nos custos provaram que uma campanha remediada não é necessariamente uma campanha invisível. Se é verdade que Defensor de Moura, com 90 mil euros de despesa, mal deu nas vistas, já José Manuel Coelho, apenas com 11.905 euros, fez a festa, largou os foguetes e apanhou as canas.

Curiosamente, neste final de tabela, tanto um como o outro contaram com verbas muito aquém daquelas com que tinham sonhado. Defensor de Moura partiu para a estrada com o pressuposto de que conseguiria 250 mil euros de financiamento, mas ficou-se pelos €26.440; José Manuel Coelho imaginou que receberia 90 mil euros, mas ficou-se pelos €12.075. Apesar de tudo, Coelho teve mais receita do que despesa - contas fechadas, lucrou 170 euros.

Já Defensor de Moura teve de pagar o défice do seu bolso. Nesse caso, o melhor mesmo é contar com o apoio partidário - que o diga Manuel Alegre: com muito menos votos do que estava à espera (logo, muito menos apoio estatal), contou com o PS para tapar o buraco financeiro da sua campanha presidencial.

Conclusão: quem não tem dinheiro, que tenha um partido.