Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Ferreira Leite. “Desenvolvimento social está a ser feito à custa da contração do Estado”

  • 333

Manuela Ferreira Leite não tem dúvidas: programa eleitoral da coligação Portugal à Frente tem forte matriz democrata-cristã em detrimento da social-democrata

"Tenho pena que a matriz social-democrata não esteja presente com força [no programa eleitoral da coligação Portugal à Frente]", declarou esta quinta-feira à noite Manuela Ferreira Leite no seu comentário habitual na TVI24.

A antiga ministra das Finanças analisou o programa eleitoral da coligação PSD-CDS para as legislativas de 4 de outubro e concluiu que, apesar de fazer referência, por diversas vezes, a "desenvolvimento social", este "está a ser feito à custa da contração do Estado Social".

Partindo da ideia de liberdade de escolha ("uma das mais sublinhadas no programa") em relação aos serviços do setor público e privado, afirmou que não consegue "ser solidária" com esta questão, por se afastar da matriz social-democrata, assente em três pilares: Educação, Saúde e Segurança Social, "que só deverão ser fornecidos subsidiariamente pelo setor privado".

"Uma coisa é o Estado ser libertado de determinado tipo de funções que podem desempenhadas pelo setor privado, mas isso não significa que o Estado Social não tenha que fornecer serviços de qualidade", critica.

Relativamente à Segurança Social, Ferreira Leite mostra "muitas dúvidas" e sublinha que as propostas não são claras. "Os partidos que vão às eleições têm que explicitar profundamente o que vão fazer com a Segurança Social", acrescenta.

Para terminar, a antiga presidente do PSD resume o programa da coligação Portugal à Frente da seguinte forma: "Há muitas intenções com 'ses': 'se a situação estiver melhor, isto vai acontecer'. O problema é que se a situação não melhorar, nada daquilo acontece".