Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Legislativas ganham “nova dimensão” para os socialistas

  • 333

O PS considera que as eleições legislativas de 4 de outubro ganharam uma “nova dimensão” depois de o Presidente da República considerar "desejável" um Governo de maioria absoluta. “É para isso que o PS está a trabalhar”, afirma o diretor de campanha do partido

O PS afirmou esta quarta-feira que as eleições legislativas de 4 de outubro ganharam uma “nova dimensão” depois de o Presidente da República, Cavaco Silva, considerar “desejável” um Governo de maioria absoluta.

“As eleições de 04 de outubro ganharam também hoje uma nova dimensão, uma vez que o Presidente da República entende que nós precisamos de uma maioria absoluta”, disse à agência Lusa Ascenso Simões, diretor de campanha socialista e número um na lista do partido por Vila Real.

O Presidente da República anunciou hoje que as legislativas se vão realizar a 4 de outubro.

Na mensagem, Cavaco Silva considerou "desejável” que o próximo Governo tenha um apoio “maioritário” no parlamento e seja “sólido, estável e duradouro” para prosseguir uma política que traga mais riqueza e mais justiça social.

“É para isso que o PS está a trabalhar. Para o PS, garantir uma maioria absoluta nas próximas eleições, é um objetivo alcançável, mas também é um objetivo muito importante e ainda mais importante a partir desta declaração do Presidente da República”, declarou Ascenso Simões.

Segundo o diretor de campanha socialista, o PS “é o único partido que pode consagrar uma maioria absoluta”, que seja alternativa à atual política, a qual, para os socialistas, tem promovido o desemprego, a imigração e a pobreza.

Nas declarações à Lusa, Ascenso Simões sublinhou também que o PS é o “único partido”, com possibilidade de chegar ao Governo, que “apresentou um programa consistente e um conjunto de metas de natureza orçamental e objetivos de natureza económica, que conseguem colocar Portugal” a crescer e dar aos portugueses uma “nova esperança”.

“O PS é a única força política que tem condições de cumprir alguns dos critérios que o senhor Presidente da República identificou, designadamente a apresentação de proposta claras e sustentáveis e também de futuro para a crise que temos vivido”, insistiu.