Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Paulo Rangel: “Outros países podem querer referendar a ajuda à Grécia”

  • 333

Luís Barra

O eurodeputado que tem defendido que está em curso a “syrização da crise” acredita que ainda pode haver uma solução que impeça um Grexit. Mas avisa: “outros países podem querer referendar um acordo com a Grécia”

Bernardo Ferrão

Bernardo Ferrão

Subdiretor da SIC

Escolhido que está o “não” no referendo grego, agora todas as atenções devem virar-se para o Banco Central Europeu. É a opinião de Paulo Rangel. “Os bancos gregos estão secos e o colapso é iminente. Por isso, a primeira coisa a ter em atenção esta segunda-feira é o que vai fazer o BCE - eles vão ser o suporte de vida para a Grécia. Vão ter de garantir a liquidez imediata dos bancos.”

Rangel que diz “não estar excluída uma saída da Grécia da zona euro” e olha para o que se está a passar com grande preocupação. Reconhece que é difícil o acordo - e lembra que, se acontecer, “vai dar ânimo aos Podemos e às extremas-direitas” -, mas que pode haver uma solução: “É preciso amarrá-los à carta que eles apresentaram esta semana, na quarta-feira, que era o pedido de um terceiro resgate onde aceitavam três ou quatro condições de ajustamento”. É esse o caminho para uma solução comum, defende o social-democrata.

Mas há um (grande) perigo: “Os outros países”. Se a Grécia quis referendar, “outros países podem agora querer fazer o mesmo em relação a uma nova ajuda a Atenas, depois de tudo o que aconteceu”. Veja-se o que se passou nas reuniões do Eurogrupo. Rangel nega que tenham sido os governos de Portugal e de Espanha os que mais obstacularizaram a possibilidade de um entendimento - a fricção passou por um núcleo de cinco países nervosos também com as colagens de Tsipras à Rússia (por causa do conflito com a Ucrânia). A saber: os três Bálticos, a Eslovénia e a Eslováquia. São eles que “agora são capazes de levantar problemas”.