Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Governo "de consciência tranquila" com privatização da REN e da EDP

  • 333

FOTO HUGO DELGADO/LUSA

Passos Coelho reage a auditoria: algumas das contas do TdC são feitas "de uma forma muito parcial".

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou hoje, em Braga, que o Governo está "de consciência tranquila" em relação aos processos de privatização da REN e da EDP.

"Estamos de consciência tranquila com o processo que decorreu quer na venda da REN, quer na venda da EDP", referiu.

No relatório de auditoria dos processos de (re)privatização do setor elétrico, hoje revelado, o Tribunal de Contas (TdC) diz que o Governo não tomou medidas legislativas "que acautelassem os interesses estratégicos do Estado Português após a conclusão do processo de privatização".

Para o primeiro-ministro, algumas das contas do TdC são feitas "de uma forma muito parcial".

Coelho aludiu, nomeadamente, ao facto de o TdC ter chamado a atenção para o facto de o Estado, ao ter vendido aquelas empresas, "ter deixado de receber" os lucros que as mesmas distribuiriam nos próximos anos.

Para o primeiro-ministro, as contas não podem ser feitas dessa forma, já que aos valores que o Estado vai deixar de receber há que contrapor o que o mesmo Estado pagaria se tivesse de recorrer aos mercados para conseguir o encaixe financeiro resultante das privatizações.

"E nós precisávamos de obter esse encaixe financeiro para abater à dívida pública. Se tivéssemos de recorrer a mercado, que na altura estava bastante fechado para Portugal, para obter esse financiamento, teríamos pago juros muito elevados. E isso o TdC não teve em linha de conta quando fez essas contas", rematou.