Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Ministros do Eurogrupo não foram informados do que divide Grécia e credores

  • 333

FOTO JOHN THYS/AFP/Getty Images

Maria Luís Albuquerque à saída da reunião em Bruxelas, que foi suspensa: “Não nos foi dito qual era o ponto da discórdia”

A reunião do Eurogrupo desta quarta-feira, mais uma para tentar o desenlace para o caso grego, foi suspensa porque “as negociações não estavam suficientemente avançadas para que pudéssemos ter hoje uma decisão final”, explicou aos jornalistas Maria Luís Albuquerque, à saída do encontro dos ministros das Finanças da zona euro. “Não nos foi dito qual era o ponto da discórdia”, precisou.

“A informação que nos transmitiram é que a discussão tem sido intensa. Todas as equipas têm estado envolvidas a trabalhar, mas, ainda assim, o tempo não foi suficiente”, detalhou a ministra. Maria Luís Albuquerque precisou apenas que “as três instituições estão a trabalhar em conjunto”, escusando-se  a comentar eventuais divergências de avaliação entre a Comissão Europeia e o FMI. 

Uma nova reunião entre os ministros da zona euro está prevista para o início da tarde desta quinta-feira. Maria Luís Albuquerque referiu que agora espera ter “uma boa noite de sono pela frente”, uma vez que a reunião só começa à uma da tarde de Bruxelas (meio-dia em Lisboa). “Vamos pensar nas coisas positivas e deixar as instituições trabalharem.”

Antes do encontro desta quinta-feira entre os ministros das Finanças haverá noite longa: o  primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, reúne-se com os credores - FMI, BCE e Comissão Europeia - após das 22h portuguesas.

  • Grécia adiada: Eurogrupo suspenso, Tsipras reúne-se com os credores

    Segunda-feira recuperou a esperança, terça manteves as expectativas, quarta quebrou a paz. O dia foi tenso, com o FMI a rejeitar as novas propostas de Atenas e a Grécia a lamentar que os credores tenham tratado Portugal e a Irlanda de forma diferente - para melhor nestes casos, para pior no que toca aos gregos. Esta quinta-feira há mais Eurogrupo, mas ainda há trabalho para Tsipras