Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Passos defende resposta conjunta para saída da Grécia do euro

  • 333

FOTO JOHN THYS/AFP/Getty Images

Primeiro-ministro diz que estaria "extremamente preocupado" caso estivesse na posição de Alexis Tsipras. E defende uma resposta europeia comum para uma eventual saída da Grécia da zona euro

O primeiro-ministro considera que a situação da Grécia é grave, pelo que os líderes europeus têm que preparar uma resposta conjunta para uma eventual saída do país da zona euro. Garante ainda que os países que terminaram os seus programas de resgate não deverão sofrer efeitos de contágio.

"Eu se estivesse na posição do primeiro-ministro grego estaria muito preocupado com a situação que o meu país estaria a viver. Mas seria impensável que, na área da moeda única, não houvesse uma resposta conjunta a tal situação [saída da Grécia da Zona Euro]. Uma resposta comum precisa de ser preparada pelos bancos centrais e pelo Banco Central Europeu", afirmou Passos Coelho na sexta-feira em entrevista à Reuters.

O chefe do governo português sustentou que os países que cumpriram os seus programas de ajustamento estão numa "posição mais forte" e que a zona da moeda única não deverá ser ameaçada caso não seja encontrada uma solução para a Grécia.

"[A saída da Grécia da zona euro] Não é algo que coloque o euro em risco ou afeta países como Portugal, Irlanda, Espanha ou Itália. Penso que a zona euro, na sua totalidade, tem hoje mecanismos muito mais fortes para estar apta a ajudar todos os países num asituação como esta", acrescentou.

Portugal tem dinheiro até meados de 2016
Questionado sobre a situação de Portugal, Passos Coelho garantiu que o país estará numa situação confortável até meados do próximo ano.  "A almofada financeira que tem sido criada pelo Tesouro português coloca-nos numa situação que não põe em risco qualquer pagamento que temos de fazer até meados de 2016", assegurou.

Este fim de semana decorrem discussões técnicas para preparar a cimeira extraordinária de líderes da zona euro na segunda-feira, que servirá para debater a situação grega. Encontro foi agendado depois de não se ter alcançado um acordo na reunião do Eurogrupo na quinta-feira.