Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Socialistas ibéricos aliam-se. E Costa tem uma mensagem: “O Governo português fez mal com a Grécia”

  • 333

Os líderes dos dois partidos prometem reforçar a união ibérica

FOTO STEVEN GOVERNO/LUSA

Líderes dos dois partidos estiveram reunidos em Lisboa, tendo-se comprometido a reforçar a integração e a cooperação ibérica se vencerem as legislativas. Grécia foi tema inevitável na conferência de imprensa

António Costa espera que seja possível em breve um acordo com a Grécia, frisando que a Europa tem demasiadas ameaças envolventes para se "dar ao luxo" de se dividir. E critica ainda a atuação do Executivo nas reuniões do Eurogrupo: "O Governo português fez mal em pôr obstáculos à existência de um acordo. O acordo é do interesse da Europa, é do interesse de todos e o acordo deve ser prosseguido", observa o líder socialista.

O secretário-geral do PS falava esta sexta-feira numa conferência de imprensa conjunta com o líder do PSOE, Pedro Sánchez, após um encontro na sede do partido, no Largo do Rato, em Lisboa.

Da mesma forma, o líder do PSOE defende igualmente a necessidade de um acordo urgente entre a delegação helénica e os credores, e aponta as alternativas socialistas à austeridade: "Queremos que a Europa chegue a acordo rápido com o Governo grego. Sempre defendemos que o projeto europeu é de solidariedade e de moeda única. Creio que  isso abre uma reflexão importante: que os governos progressistas, como o PS e PSOE, são a garantia de que é possível mudar a política económica", afirmou Pedro Sánchez.

Costa e Sánchez assinaram dois documentos em que se comprometem a reforçar a cooperação ibérica e a concertação de posições na União Europeia, caso sejam eleitos chefes de Governo nos respetivos países.

"O PS e o PSOE estão centrados nas reformas para ajudar a economia em Portugal e Espanha, para os dois países serem mais convergentes no patamar de Justiça, inovação em pequenas e médias empresas ou reabilitação urbana. Como os dois partidos estão na oposição, querem demonstrar que podem contribuir para as reformas na Europa. Estamos aqui a dizer agora que não é assumir isoladamente compromissos, mas criar alianças", declarou António Costa na conferência de imprensa conjunta.

Segundo o líder do PS, ambos os partidos querem o reforço da união ibérica em vários patamares, permitindo, por exemplo, que as telecomunicações sejam efetuadas sem custos de roaming acrescidos e que deixe de ser necessário adquirir aparelhos para pagar portagens. "O que nós propomos é um conjunto de medidas concretas para passar da teoria à prática, atendendo às vantagens de estarmos juntos na União Europeia", sustentou.

Insistindo que são essenciais reformas, Costa defende que a solução é reforçar  a União Europeia. "O que aqui fizémos e queremos continuar a fazer é reforçar a identidade europeia, e utilizar o mercado ibérico como motor. Juntos contribuímos, como há 30 anos, para reforçar o projeto europeu, a confiança e o futuro na Europa", rematou.