Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Projeto de programa do PS apresenta 21 causas e desafio da modernização do Estado

  • 333

José Carlos Carvalho

Partido diz que o documento distingue-se das práticas do passado "por conter uma calendarização de medidas concretas e impacto estimado". Militantes e cidadãos independentes podem enviar propostas para o país até 29 de maio.

O projeto de programa eleitoral do PS, apresentado esta quarta-feira, tem "21 causas" organizadas por cinco pilares, desde a valorização do território até à redução das desigualdades, assumindo como desafio a criação de um Estado "forte e moderno".

De acordo com o guião do programa, ao qual a agência Lusa teve acesso, os cinco pilares são dedicados às pessoas, à valorização do território, à prioridade à inovação, à coesão e combate às desigualdades e a "um Portugal global".

O projeto de programa assume como desafio para o Estado "a melhoria da qualidade da democracia, uma governação 'diferente'", garantir a defesa num território alargado, segurança interna e política criminal, a agilização da justiça, a simplificação e digitalização da administração, a regulação eficaz dos mercados, a valorização das regiões autónomas e a descentralização como base da reforma do Estado.

Apesar de o programa ser apreciado esta quarta-feira em comissão política do PS e no domingo em comissão nacional, no calendário estabelecido poderão ser enviadas propostas e sugestões por militantes e cidadãos independentes até 29 de maio.

No período entre 25 e 29 de maio, de acordo com o guião ao qual a agência Lusa teve acesso, os socialistas ainda procederão "ao lançamento e votação pelos cidadãos no âmbito do programa participativo".

A aprovação final do programa eleitoral acontece a 6 de junho, durante a convenção nacional do PS.

Segundo o coordenador do processo de elaboração do projeto de programa e coordenador do gabinete de estudos do PS, João Tiago Silveira, o documento distingue-se das práticas do passado "por conter uma calendarização de medidas concretas e impacto estimado", por ter sido "mais participado com temas que serão colocados brevemente à votação de militantes e cidadãos" e ainda por ser "mais claro ao ter sumários em linguagem clara, com comparação das medidas do PS com o que a coligação PSD / CDS fez no Governo".