Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Costa está "muito contente" por concordar com Passos

  • 333

André Kosters / Lusa

Primeiro-ministro disse ao "Sol" que um Governo a três "não teria condições para funcionar" e o líder do PS quis explicar por que motivo é que está em sintonia com a tese. E diz que o país também tem razões de contentamento a propósito desta questão.

O secretário-geral do PS, António Costa, concordou esta sexta-feira com Pedro Passos Coelho, considerando que "não há nenhuma possibilidade de entendimento entre o PS e esta coligação de direita", estando os portugueses perante uma escolha entre "alternativas muito claras".

No final de uma visita às novas instalações do Centro de Excelência para Inovação da Industria Automóvel (CEIIA), em Matosinhos, António Costa foi questionado pelos jornalistas sobre as declarações do primeiro-ministro em entrevista ao "Sol", na qual defendeu que a opção nas legislativas é entre dar maioria à coligação PSD/CDS-PP ou ao PS, considerando que um Governo a três não teria "condições para funcionar".

"Fico muito contente porque finalmente há uma intervenção do primeiro-ministro com a qual concordo. Claro que não há nenhuma possibilidade de entendimento entre o PS e esta coligação de direita e hoje a situação política em Portugal está bastante clarificada."

Na opinião de António Costa, "os portugueses vão ter a possibilidade de escolher dois caminhos absolutamente distintos nas suas prioridades e sua forma de governação", considerando que "o país pode estar contente de poder escolher alternativas muito claras como aquelas que a coligação de direita apresenta e aquelas que o PS apresenta".

Sobre a necessidade de uma maioria nas próximas legislativas, o líder do PS foi perentório: "Bom, o Dr. Pedro Passos Coelho está de repente com visões bastante corretas. Eu acho útil que o país tenha maioria. É para isso que o PS está a trabalhar".

  • Passos: as eleições, Portas e as passas do Algarve

    Numa entrevista concedida esta sexta-feira ao jornal “Sol”, o primeiro-ministro confirma a sua versão do SMS sobre a crise da demissão de Portas. E fala sobre os cenários pós-eleitorais, descartando a possibilidade de uma qualquer aliança com o PS. Veja um resumo das frases mais sonantes.

  • Passos defende um próximo Governo maioritário, mesmo que seja do PS

    No que respeita às legislativas, questionado sobre o cenário de um Governo a três, com PSD, CDS e PS, o primeiro.ministro responde: "O que vai estar em jogo nas próximas eleições é saber se damos maioria ao atual Governo, ou se damos maioria ao PS, e eu espero que uma destas coisas aconteça. Espero, evidentemente, que este Governo possa ter uma maioria".