Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Uma visita para abrir portas e reforçar a cooperação

  • 333

Cavaco faz balanço da deslocação à Noruega e incentiva empresários a prestar atenção.

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal


A criação de parcerias e o desenvolvimento de sinergias nos assuntos do mar e a vários níveis entre Portugal e a Noruega, bem como uma grande abertura à cooperação, foram os pontos salientados pelo Presidente da República num balanço à sua visita à Noruega, que termina esta quarta-feira com uma deslocação a viveiros no mar alto, a partir de Bergen.

Cavaco Silva referiu que a visita, com um caráter eminentemente económico, abordou três agendas - o mar, a energia e os investimentos e relações comerciais - e que em todas elas resultou um "espírito de cooperação para o futuro". No entanto, destacou, não foram menos significativos os contactos políticos.

"A agenda do mar ocupou grande parte das conversações e identificámos como alvos a investigação e tecnologia dos oceanos, a biotecnologia marinha e a fileira do pescado", concretizou o Presidente, destacando que veio acompanhado por cerca de 30 cientistas e 20 empresários da área da biotecnologia do mar.

A assinatura dos memorandos de entendimento e cartas de intenções entre instituições "reforçam a intenção de cooperação no domínio da investigação, inovacao e tecnologia na área dos oceanos", disse ainda Cavaco Silva.

Parcerias e sinergias  
Quanto à energia, o Presidente afirmou que o acento tónico foi colocado nas energias renováveis, "onde Portugal é exemplo de tecnologias avançadas", tendo ficado "com a impressão" que é possível a cooperação em países terceiros, uma vez que os noruegueses reconhecem a competência portuguesa e a facilidade em entrar em países terceiros através de parcerias estratégicas, segundo disse.

Para Cavaco Silva a agenda do investimento e das relações comerciais não foi menos importante, uma vez que a Noruega vai lançar um grande plano de infra-estruturas rodoviárias no valor de muitos milhares de milhões de euros. "As empresas portuguesas de construção deverão prestar atenção a este plano", incentivou o Presidente.