Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Costa questionado por socialistas sobre mudanças na TSU e na lei laboral

  • 333

António Costa presidiu à reunião da Comissão Politica Nacional do PS, realizada na sede do partido, em Lisboa

Miguel A. Lopes/Lusa

Na reunião da Comissão Política do PS, elementos ligados à UGT e aos pensionistas manifestaram a António Costa as suas dúvidas sobre pontos do cenário macroeconómico socialista, designadamente em matérias como a Segurança Social e a legislação laboral.

António Costa foi confrontado na noite de quarta-feira com dúvidas de companheiros socialistas sobre a descida da taxa social única (TSU) e das alterações à legislação laboral presentes no cenário macroeconómico apresentado na véspera, mas considerou urgente a adoção dessas medidas.



Durante a reunião da Comissão Política do PS, elementos ligados à UGT, caso de José Abrão, e aos pensionistas, como Maria do Rosário Gama, líder da Associação Portuguesa dos Reformados (APRE), manifestaram ao secretário-geral do partido dúvidas sobre pontos do cenário macroeconómico socialista, designadamente em matérias como a Segurança Social e a legislação laboral.



Maria do Rosário Gama mostrou-se apreensiva com a redução progressiva (embora temporária)de quatro pontos percentuais da TSU, aplicável quer a empregadores, quer a trabalhadores, temendo que essa medida possa colocar em causa a sustentabilidade do sistema público.



Já José Abrão, na linha das mais recentes intervenções do secretário-geral da UGT, Carlos Silva, afirmou recear que medidas como a via conciliatória para a cessação de contratos de trabalho possa facilitar às empresas os despedimentos.



De acordo com membros da Comissão Política do PS contactados pela agência Lusa, António Costa respondeu com algum grau de detalhe a essas dúvidas, começando por frisar que as medidas constantes no cenário macroeconómico devem ser analisadas em conjunto e não de forma isolada em termos de impacto. Costa defendeu então que a medida relativa à redução gradual mas temporária da TSU é essencial para estimular o crescimento económico, salientando também o seu carácter universal, ao contrário de medidas como a reposição salarial para os trabalhadores do sector público.



No ponto da legislação laboral, António Costa considerou urgente inverter a atual situação do mercado de trabalho em Portugal, classificando-o como "estilhaçado", com níveis de precariedade "elevadíssimos", o que em parte justificará também a dimensão do fenómeno da emigração de jovens quadros.



Durante a reunião da Comissão Política Nacional do PS, a eurodeputada Ana Gomes sugeriu a possibilidade de se optar por uma descida do IRS em vez da redução da TSU.



Do ponto de vista de política interna, Costa recebeu um apoio que surpreendeu vários membros da Comissão Política, quando o ex-presidente da Câmara de Lisboa e deputado João Soares lhe disse: "Estou à tua disposição para a luta que aí vem".



Elogios à atuação da direção de António Costa, quer pelo cenário macroeconómico apresentado na terça-feira, quer pelo programa do aniversário do PS no passado domingo, partiram também de Álvaro Beleza, que fez parte do Secretariado Nacional liderado por António José Seguro.



Álvaro Beleza defendeu depois que, para além da economia e das finanças, a saúde deve ter uma presença forte no futuro programa eleitoral do PS e, por outro lado, que se deve apoiar as empresas exportadoras, não centrando apenas os objetivos de crescimento no plano do aumento da procura interna.



Numa nota em contramão com a atual direção do PS, Beleza mostrou-se igualmente favorável a uma descida do IRC.