Siga-nos

Perfil

Expresso

A Beleza das Pequenas Coisas

Depois de 28 anos a dormir na rua, Paulo vai passar o Natal na sua nova casa

  • 333

Saiu aos vinte anos de casa da sua família problemática e nunca mais voltou. A droga e o álcool foram as suas fiéis companheiras e a rua a morada incerta durante quase 30 anos. Paulo Tavares era um dos mais de cinco mil sem-abrigo que sobrevivem em Portugal a céu aberto, à fome, à esmola, aos esquemas e ao frio. Todas as respostas sociais falharam. Até que há um ano foi abordado pela "Associação Crescer na Maior". Depois de analisado o seu caso, ofereceram-lhe um apartamento em Lisboa em troca de acompanhamento técnico. Paulo aceitou. Há oito meses que vive na sua nova casa e a adaptação superou as expectativas: deixou os vícios, revelou talento para o desenho e já tem projectos e sonhos. Este é o primeiro Natal em que Paulo vai viver debaixo de um teto seu. "Estou a recomeçar uma vida. Tenho uma casa. Estou a aprender a ser uma pessoa. Está fixe!" Uma história dura e emocionante contada esta semana no podcast "A Beleza das Pequenas Coisas"

Bernardo Mendonça

Bernardo Mendonça

Entrevista e ilustração

Jornalista

João Santos Duarte

João Santos Duarte

Sonorização

Jornalista

Carlos Paes

Carlos Paes

Motion Graphics

Infografia

Paulo Tavares recebeu-nos numa destas manhãs no seu apartamento na Ajuda, em Lisboa. A casa estava impecavelmente limpa e arrumada. Tudo de acordo com as novas regras que impôs para si neste recomeço de vida, aos 48 anos. "Estou a habituar-me às rotinas. É uma descoberta ser eu a fazer as compras, limpar, pôr a roupa a lavar, passar a ferro. É pá, despertou uma coisa interessante em mim. Acho que está fixe. Está à maneira. É isto mesmo!"

Num canto da diminuta divisão que faz de sala, está um presépio feito por si, com folhas e pequenos galhos. O menino Jesus é um boneco negro que se aquece numa 'fogueira' imaginária. O dito presépio tem duas pequenas árvores de Natal. A árvore abastada (verde e com bolas coloridas) "é a da maioria das pessoas", e a outra (feita só de galhos), 'é a minha árvore de sem-abrigo, a minha história". Paulo não esquece de onde veio. E muitas vezes dá por si a caminhar até ao lugar onde dormia, nos respiradouros da Praça da Figueira, junto à estátua do Rei."Ainda hoje não acredito que estou aqui. Ainda hoje não acredito que vieram ter comigo com tantas pessoas [sem casa]. "

Paulo passou por vários albergues, mas sentiu-se perdido, desamparado, sem apoios para voltar a integrar-se. "Aquilo é apenas uma caixa com pessoas". Afirma que lhe saiu a sorte grande quando foi contactado pela "Associação Crescer na Maior", através do projecto 'UMA CASA, Lisboa Housing First', que, desde 2013, já retirou das ruas de Lisboa 15 sem-abrigo. Uma iniciativa financiada pela Câmara Municipal de Lisboa, Junta de Freguesia de Santa Maria Maior e outras entidades particulares.

Com a casa veio a auto-estima, o horizonte, os projectos, os sonhos. E Paulo conta-nos vários deles nesta conversa. Como a descoberta do desenho através dos lápis de cor e do bloco de papel quadriculado que dão cor e expressão aos seus dias. Mas há outros sonhos, memórias e descobertas que Paulo conta nesta conversa íntima, emocionante e franca.

O programa “A Beleza das Pequenas Coisas” conta com música dos Budda Power Blues.