Siga-nos

Perfil

Expresso

A Beleza das Pequenas Coisas

Silêncio que se vai ouvir a Bela (dos boémios, dos apaixonados e dos fadistas)

  • 333

Desta vez, “A Beleza das Pequenas Coisas” conta a história de Anabela Paiva, mais conhecida como a Bela de Alfama. Bela é a alma deste bairro e a sua tasca de fados na Rua dos Remédios atrai boémios, fura-noites, fadisteiros, apaixonados, mal de amores, marialvas, artistas, jornalistas, marginais e turistas curiosos. Na sua anterior casa de fados Nónó, no Bairro Alto, chegou a ter como clientes dezenas de criminosos com navalhas no bolso acabados de sair da prisão. “Mas correu tudo muito bem.” Na Tasca da Bela diz-se “bom dia” todas as noites, é proibido dizer-se “adeus” e ai de quem não faça silêncio quando se apaga a luz e soam os primeiros acordes das guitarras. Aqui Bela se confessa

Bernardo Mendonça

Bernardo Mendonça

Entrevista e ilustração

Jornalista

João Santos Duarte

João Santos Duarte

Sonorização

Jornalista

Carlos Paes

Carlos Paes

Motion Graphics

Infografia

Para ouvir os podcasts do Expresso nos seus dispositivos móveis e no computador, copie e adicione o seguinte URL à sua aplicação de podcasts: http://bit.ly/1TnvM3J

Esta conversa foi feita na castiça Tasca da Bela, também chamada Bela Vinhos e Petiscos, no número 190 da Rua dos Remédios, em Alfama. Quem quer ouvir fado castiço do bom sabe que todas as quartas, sextas, sábados e domingos, pelas 21h, é ali que o vai encontrar.

Escolhemos a mesa do canto, junto à cozinha, reservada aos casais ou namoros mais clandestinos. E esta entrevista também teve os seus momentos clandestinos ou íntimos e emocionais. A casa estava cheia. Melhor, a abarrotar. O fadista da noite era Filipe Duarte, que completava nesse mesmo dia 81 anos e teve direito a aplausos e sonoros parabéns de toda a clientela.

Bela que é amor, coração e fado é antes de tudo MÃE. Uma mãe de 55 anos que ri e chora as alegrias e tristezas dos seus cinco filhos - quatro biológicos e um do coração - e de todos aqueles que a procuram nas suas casas para desabafar. “Eu devo ter cara de confessionário. As pessoas confessam-me coisas da vida delas. As suas relações, problemas no trabalho, o que gostavam de fazer e não fazem, traições... As pessoas à noite são mais genuínas”.

Bela diz-se feliz junto dos seus e sonha em ter um companheiro. “Para que eu deitasse a cabeça no seu ombro e ele me dissesse ‘está tudo bem, eu estou aqui’. Mas não acontece. A última vez que me aconteceu isso foi há dez anos.”

O programa “A Beleza das Pequenas Coisas” conta com música dos Budda Power Blues.