Anterior
Manifestação pela linha do Tua reuniu 20 pessoas
Seguinte
20 pessoas protestam contra barragem de Foz Tua
Página Inicial   >  Economia  >  Energia  >   Plano Nacional de Barragens: a montanha pariu um rato (vídeo)

Plano Nacional de Barragens: a montanha pariu um rato (vídeo)

Foi lançado em 2007 por José Sócrates. Estavam previstas 10 barragens. Quatro anos depois, apenas duas estão em construção, mas ainda no início.
|
"Eu não pedi um Plano Nacional de Barragens". Esta frase, que também serviu de título a um vídeo que circula desde outubro no Facebook, está a levantar um coro de protestos a nível nacional contra a construção de novas barragens em Portugal e contra a EDP em particular. Curiosamente a EDP só está a fazer duas das oito que integram o já famoso plano. As espanholas Iberdrola (que comçeou por ter quatro barragens e agora tem três) e Endesa ainda não deram início às obras dos seus projetos para o Tâmega e para o Mondego, respectivamente. Leia mais no Expresso Economia de 3 de dezembro de 2011.

Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 14 Comentar
ordenar por:
mais votados
Este é um povo que adia o futuro, com ou sem €€€€€
Não construir uma barragem por causa de mexilhões?

Este é um País de 'inventores'.

Lembrei-me do caso da Ponte Vasco da Gama, que os ecologistas não queriam que fosse construída porque havia na zona uns bichos raros, porque receavam o seu desaparecimento.

A ponte continuou e uns meses depois da inauguração, foram confirmar o desaparecimento dos tais bichinhos e constataram que afinal, a sombra que a ponte faz e que iria matar a colónia, permitiu o seu crescimento...

É por estas e por outras (como os tais 750 mil contos gastos numa autoestrada para deixar passar 6 cabras), que este País está como está.

Temos barriga de rico e bolsa de pobre...

E quando é para dar despesa ao Estado, até parece que o Estado não somos todos nós, mas apenas o 'vizinho'...

Re: Este é um povo que adia o futuro, com ou sem €
Re: Este é um povo que adia o futuro, com ou sem €
Re: Este é um povo que adia o futuro, com ou sem &
Re: Este é um povo que adia o futuro, com ou sem &
Re: Este é um povo que adia o futuro, com ou sem &
Incentivar
Para rentabilizar, seria necessário que efectivamente se incentivasse o bi-horário ou tri-horário efectivamente, não penalizando um contador multi-horário com uma taxa fixa mais cara. Eu já tive um contador desses, não compensava, agora P.Q.Par.iu, ligo a qq hora e já está, vão pro car...lho.
Re: Incentivar
Mais uma
Mais um esqueleto, onde para o comentador habitual com links a defender socrates, certamente desvaloriza a noticia com nova apresentação de links contra este governo
Em 2007
ainda existiam projectos, pouco concretizados é certo, mas agora nem projectos existem, pelo que os ecologistas podem ficar descansados, o pais está parado, as ervas vão crescer por todo o lado porque não há dinheiro para as apanhar, a produção de oxigénio vai aumentar e a de CO2 diminuir.
Vai ser o paraiso ecologico, o regresso à pré-história anuncia-se.
COMO DISTRIAR OS PORTUGUESES
em relação à politica seguidista e anti-nacional do governo de extrema-direita de Pedro Passos Coelho ?
Nada mais fácil, noticiar: " Plano Nacional de Barragens de Socrates em 2007, a montanha pariu um rato ".
Até aqui Socrates é pretexto para prejudicar Portugal.
O MEU PAPEL
Qual o meu papel no combate contra a corrupção, a injustiça e a irresponsabilidade política no nosso país? A minha crítica mostra-se coerente com os meus actos e com as minhas escolhas? A minha participação democrática resume-se à escolha de um símbolo partidário que depois toma todas as decisões por mim. Faço realmente parte de uma democracia ou sou vítima de uma burla política? A 100editora.net iniciou a primeira batalha. Vale a pena participar?
porque é que a EDP
cancelou a Barragem na beira interior? Explicou quase todas elas, com excepção desta. N~~ao sei se as imagens condizem com estado da obra, mas parecia ja ir bastante avançada.

Re: porque é que a EDP
Comentários 14 Comentar

Últimas

BES quer vender ativos

Está em curso avaliação exaustiva dos ativos. Saída de alguns mercados internacionais está em ...

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub