Anterior
Machete conhecia "preferência" por um porto italiano para transbordo
Seguinte
Notação da S&P mostra "confiança no país", diz Passos
Página Inicial   >  Política  >  Pires de Lima contra bolsas científicas "longe da vida real"

Pires de Lima contra bolsas científicas "longe da vida real"

Ministro da Economia diz que não se pode "alimentar um modelo que permita à investigação e à ciência viverem no conforto de estar longe das empresas e da vida real".
|
"Uma boa parte da investigação é financiada por dinheiros públicos e não chega à economia real", diz Pires de Lima
"Uma boa parte da investigação é financiada por dinheiros públicos e não chega à economia real", diz Pires de Lima / José Sena Goulão/Lusa

O ministro da Economia, António Pires de Lima, lamentou hoje que parte da investigação científica em Portugal não chegue às empresas e disse que não é possível manter um modelo de financiamento que mantenha esta distância.

"Uma boa parte da investigação é financiada por dinheiros públicos e não chega à economia real. Não chega a transformar o conhecimento em resultados concretos que depois beneficiem a sociedade como um todo", afirmou o ministro, durante um debate sob o tema "Crescer para fora" na Fundação de Serralves, no Porto, onde se encontravam à entrada cerca de 20 manifestantes contra o Governo.

Pires de Lima disse não ser possível "alimentar um modelo que permita à investigação e à ciência viverem no conforto de estar longe das empresas e da vida real", referindo o elevado nível de doutorados 'per capita' em Portugal por oposição ao baixo número de doutorados nas empresas.

"É preciso de facto investir, dar continuidade à trajetória de investimento, mas também procurar criar um modelo de estímulos e de sinais que ligue a investigação, a ciência, a educação à vida concreta e real das empresas e que se traduza em produtos, marcas e serviços que possam fazer a diferença no mercado e devolver à sociedade o investimento que fizemos", afirmou o ministro da Economia, que voltou a mencionar a necessidade de incorporar uma educação para o empreendedorismo nas escolas portuguesas.

Por seu lado, o presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta, que marcou presença no debate na qualidade de antigo presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), sublinhou que talvez das coisas que fez melhor o Governo anterior foi "o investimento no saber".


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 97 Comentar
ordenar por:
mais votados
Declarações vergonhosas e imbecis, se foram estas.
-Vergonhosas, porque, num país de pouca cultura e perceção da temática, estas declarações prestam-se a levar a população a considerar os cientistas como parasitas não produtivos, esbanjadores de fundos públicos;
- Ignorantes porque o ministro está a confundir, ou a desejar que se confundam, dois tipos de investigação:1- a investigação aplicada, que aplica ,testa e afina conhecimentos científicos à realidade, seja ela a educativa, empresarial, sanitária, militar, ou outra ; 2- antes dessa, a investigação que a torna possível, a investigação dita pura, em laboratório universitário ou não, sem qualquer relação com a sacrossantas "empresas" , as quais devem sim é subsidiá-la, juntando-se ao Estado na manutenção da Ciência em todas as suas fases.

 
Cara apreciadora,
Caro mimp, só uma achega:
até seria capaz de concordar, mas...
"investigação de base é vício de rico"???
obviamente
Pense antes assim:
sim senhor, mas...
Publicações e patentes
[Continuação]
[Continuação]
2 respostas
Respostas às respostas
Respostas às respostas
Respostas às respostas
.
Se para si
eu refiro-me aos investigadores de carreira...
realidade
Venha ao INIAV a Oeiras e veja a folha salarial...
aliás
Faça lá uma carroça sem rodas então.
.
Não tenho a certeza da interpretação
certo
Absolutamente
Correcções:
Como diziam os romanos...
Os traidores fizeram co que o povo português seja
órfão do seu próprio País embora seja esse mesmo povo que votou neles...
!!!!?
Objectivo e pragmático
Desta vez Pires de Lima foi pragmático, investir na Ciência sim mas com objectivos delineados e obrigatoriamente ligados ao empreendedorismo e às empresas que optem por financiar novos produtos seja em que área for.
A intenção não é inventar o que já está inventado ou alguma coisa que não serve para nada só para justificar os apoios estatais. Felizmente, na área da Saúde, existem progressos assinaláveis e haverão, noutras áreas, projectos em gavetas por não colherem o interesse de investidores que não arriscam ou que não querem, por razões de ordem económica ou lobby.
voce nao sabe o q diz.
Preocupante
leia o comentário do naifasanaconda
pragmatismo
Vistas curtas
Quem tem
As coisas não caem do céu...
Quando se estava a criar alguma massa critica, manda-se tudo por água abaixo... A investigação em empresa são aparece como os cogumelos... Se verificarmos as empresas que empregam doutorados neste momento, nasceram de startups resultantes de trabalhos de investigação nos ditos "laboratórios financiados pelos fundos públicos". Essas empresas que são muitas vezes apontadas como exemplos de inovação. Serão poucas certamente, mas assim serão cada vez menos. As coisas estão interligadas, se cortarmos na fonte...
Ora bem
Só as maçãs é que caem... das árvores
Quem está longe da realidade, são estes neoliberai
Mas eles devem pensar, que a inovação cai do céu, ou que são as empresas que são as únicas que inovam.

Engana-se. As empresas, sobretudo, desenvolvem, não inovam.

www.ted.com/talks/lang/pt-br/mariana_mazzucato_government_investor_risk_taker_innov ator.html
"Vida real" do Excel
Para Pires de Lima, a única ciência que vale a pena é da "vida real" de economia e finanças, onde as previsões dependem crucialmente de se cometer ou não erros básicos ao nível do Excel:
goo.gl/DP53V
A Tortura e o Massacre
www.publico.pt/ciencia/noticia/a-tortura-e-o-massacre-1619803
Depois de queimarem tudo. Restam as cinzas
Os traidores executantes das privatizações, quais chulos premiados que povoam as grandes empresas estratégicas da economia juntamente com os grandes escritórios de advogados, todos enriquecendo à custa da chulice, transformaram o povo português em órfãos do seu próprio País, empobrecendo-o cada vez mais. Outros chulos foram premiados com altos cargos em estâncias internacionais pela sua opção politica da venda do País a interesses estrangeiros. No meio de tudo isto a Assembleia da República nada legisla para criminalizar toda essa gente que tem defraudado o País, que está totalmente bloqueado. Colaborar com este sistema de energúmenos. Não....e o que é que esse gajo percebe de investigação?...

Para o cervejeiro...

o saber e a investigação são um desperdício...

mas isto vem na sequência de não aproveitar os crânios que gastaram o dinheiro público e foram dar o conhecimento para o estrangeiro...

São os políticos que temos!
século 21
que desgraça para Portugal.
asco
dá asco ter de suportar essas pessoas.
A verdade vem sempre ao de cima...
Esta é uma das coisas mais lamentáveis que já li. Investem-se dinheiros públicos, logo tem que dar dinheiro, logo os milhões de estudantes empurrados para cursos superiores cujo retorno não é rentável dado que não se formaram propriamente em engenharia, gestão ou finanças serão para o senhor ministro uma cambada de animais. Não mandar esterminá-los para mascarar as estatísticas do desemprego entre doutorados já é um feito! O mal não está obviamente no facto da nossa elite política não conseguir regular melhor e dar incentivos a políticas de contratação diferentes que estimulem a inserção no mercado de trabalho...está obviamente nesta bandalheira de doutorados que vivem encostados num mundo imaginário: um mundo tão bom em que são provavelmente das pessoas que mais têm que trabalhar e sacrificar-se para viverem de migalhas tendo em conta o esforço e o investimento. Que vergonha querer transformar todos os valores políticos e normativos que constituem uma comunidade política em dinheiro. Transformar pessoas em dinheiro sem um pingo de vergonha na cara. O sr. Ministro devia aprender qualquer coisa com os doutorados deste país e podia ser que soubesse fazer melhor a sua parte.E já agora quando quiserem fazer as empresas contratar pessoas mais qualificadas para não pagarem apenas 500 euros, e aceitarem as pessoas formadas em cursos de humanidades como não sendo tudo uma troupe de estúpidos que foram "fugir à matemática" também era uma ajudinha para o tal retorno económico.
A qualidade do estudo
Mais um idiota no governo.
Não há descanso.
:-D
Ora vejamos:
Boole, um dia deu-lhe na cabeça inventar uma matemática (teórica, abstracta e longe da vida real) que era uma Álgebra baseada não no sistema de base 10 - o que usamos normalmente - com 10 algarismos (0,1,2,...9), mas, imagine-se a "loucura", com apenas dois algarismos: 0 e 1!

O que faz com que, por exemplo a soma 1 + 1 = 10 (2 escrito nesta base).

Felizmente para ele a investigação teórica em matemática, por vezes só precisa de papel, lápis e inteligência, senão: -"Sr. Boole, está bom da cabeça? Iremos gastar o nosso dinheiro em maluquices que não servem para nada?"

Quando acabou o seu trabalho, só porque lhe dava "gozo intelectual", arrumou na prateleira das inutilidades!

Mais tarde, quando os estudiosos começaram a querer construir computadores, verificaram que a única matemática que lhes servia, era, pasmai ó gentes! uma álgebra a dois valores! claro, a Álgebra de Boole!, que já estava prontinha a ser usada e cheia de pó.

Outro exemplo: no princípio do séc. XX, homens como Einstein e outros, fizeram avançar a Física teórica (que também não servia para nada), mas permitiu muitos avanços práticos.

Desde que se deixou de fazer Física teórica, nunca mais apareceram teorias e marca-se passo, pois só se faz, quase, Física Experimental.
E sem teorias, anda-se ás cegas, ao contrário de Dirac que descobriu a Antimatéria, nos seus cálculos matemáticos abstractos! e não no laboratório (muito aplicado á prática, á vida...).

Tirem as vossas conclusões.
 
fascista
Tens toda a razão. ò comuna bolchevicoso,
??
Uma pergunta...
Excelente exemplo, mas
Tem razão
Análogos de gravitação
Antimatéria e a PET
asnos
Este governo tem um asno a comandar e um presidente asno, só pode o resto da molecada também ser contra o estudo e investigação. Um presidente, um governo e uma maioria de ASNOS. É isso aí parem de dar dinheiro para as universidades e passem só a dar aos BPNs da vida, pelo menos assim voces sempre metem algum no bolso.
Comentários 97 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub