0
Anterior
Horários do Evento GANBARE NIPPON!
Seguinte
Imagens do Japão
Página Inicial   >  Blogues  >  O Vento nas Velas  >   Peregrino

Peregrino

Peregrino é um breve opúsculo escrito por Armando Martins Janeira que presta tributo a Wenceslau de Morais, descrevendo a cerimónia de conversão do primeiro português ao Xintoísmo e aos encantos do Oriente, no dia em que se inaugurou um monumento em sua honra na cidade de Tokushima.
|
A capa do opúsculo Peregrino
Wenscelau de Moraes, 1916

Peregrino, da autoria de Armando Martins Janeira é uma reedição póstuma da Pássaro de Fogo lançada em 2008, que relata de uma forma simples, mas muito sentida, o elevar da alma de um seu conterrâneo à religião japonesa Xintô. A homenagem que Janeira faz à vida de Wenceslau de Moraes começa de uma maneira inspiradora - "Para poder entrar no Céu pelas piedosas mãos de Buda, Wenceslau de Moraes despiu-se do seu nome português e recebeu o Kaimyo, nome de morto, de Soukou Inden Hensou Bunken Daikoji, que magnificamente quer dizer: peregrino escritor habitante de um iluminado castelo de algas - algas movediças, sugerindo a vida de marujo e aventureiro. Assim o luso Wenceslau renasceu, como qualquer japonês, para a vida eterna das reencarnações, com um nome rútilo e virgem."

Janeira situa-nos no espaço e no tempo - "O monumento que a cidade de Tokushima ergueu à memória de Wenceslau de Moraes fica ao cimo da principal avenida, Shinmachi-bashi, na raiz do monte Bizan. Foi inaugurado no aniverásio da sua morte, em 1 de Julho de 1954." Ao longo do texto e de uma forma mística, o autor exalta o sentimento, que ele próprio experimentou, de se viver entre um povo oriental, onde tudo parece ao revés do que nos é costume. Quando chega a sua vez de subir ao altar, se ajoelhar, fazer uma vénia e queimar três vezes incenso, Janeira depara-se com uma imagem de Morais e confessa - "Apossa-se de mim uma emoção extraordinária e funda, sinto-me transportado a um mundo ignoto em que o meu espírito comunga, em admiração e afecto a Wenceslau, confiando-me a ele, à sua sabedoria, à sua protecção, nesta contracorrente de sentimentos os mais estranhos em que me confundo e extravio; ora o sinto meu, português do meu sangue e da minha língua, ora o sinto estrangeiro e me perco, desatinado, na espessura de ritos e secretos símbolos, no canto litúrgico cujos sentidos não penetro, numa atmosfera densa de mistério que me fascina e me transporta."

A poesia e o misticismo embalam o leitor e Armando Martins Janeira vai revelando o seu estado de espírito, fazendo referência aos pensamentos, filosofias e vidas de grandes nomes como Raul Brandão, Saint-Exupéry, Rilke ou Gauguin. A conclusão do autor é profunda e demonstra o amor que é descrito ao longo de todo o texto - "Compreendi então claramente que Wenceslau não morreu inutilmente aqui entre estrangeiros. O seu espírito inspira a bondade e a compreensão humana com que os japoneses me agasalharam e recebem quem vem de Portugal. Pela primeira vez se rompeu o muro que ódios de religião e de raça e a incompreensão levantavam. O anátema de Kipling, East is East and West is West - nunca o Oriente e o Ocidente se encontrarão - foi Wenceslau de Moraes, que mais sofreu com ele, o primeiro a derrubá-lo. Semearam amor os seus livros, todos cheios de amor por esta terra gentil e formosa, onde alegremente se canta aos mortos e as virgens, em longas túnicas brancas e vermelhas, dançam em louvor aos deuses."

"Foi este o 26.º serviço budista em sufrágio da alma de Wenceslau de Moraes, que no seu testamento dispôs que queria ser cremado e enterrado segundo os ritos budistas, e que desejava que as suas cinzas fossem juntas às da sua amada Ko-Haru." E assim foi reconhecido no Japão enquanto "um daqueles raros homens em quem o Espírito se revela com as virtudes que, entre a massa, individualizam o herói". Wenceslau de Morais entrou no Céu budista e renasceu para a vida eterna, "onde certamente vive feliz", garante Janeira.

"O verdadeiro encanto do Japão é esta luz divina que parece nascer das próprias coisas, que tudo alaga e embalsama, qual música inaudível, alegria suave, perfume que enche o ar, onda de espuma ou de sorriso. É este sorrir da luz brincada que explica o constante sorriso dos japoneses - a felicidade dos homens nasce da luz do Sol." In Peregrino, Armando Martins Janeira

"Estou num país delicioso, o Japão. Era aqui, em Nagasáqui, que eu desejaria passar o resto da minha vida, à sombra destas árvores, que não têm parceiras no Mundo". Wenceslau de Morais

Para saber mais sobre a vida e obra de Wenceslau de Morais veja aqui

Ficha Técnica

Coordenação
Cristina Castel-Branco e João Paulo Oliveira e Costa
Assistência Tecnica
Inês Pinto Coelho e Margarida Paes
Colaboradores
Alexandra Curvelo, Ana Fernandes Pinto, Leonilda Alfarrobinha, Pedro Canavarro, Ayano Shinzato D. Pereira, Alberto Vaz da Silva, Ana Maria Ramalho Proserpio, Alexandre Pereira, Ministro Arai Tatsuo, Ana Sofia Guerreiro, Manuel Gervásio de Almeida Leite, Yvette Centeno, Guilherme d´Oliveira Martins, Embaixador José Mello-Gouveia, Diogo Santos








Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub