1
Anterior
Seleção portuguesa faz último treino na Polónia
Seguinte
UEFA abre processo disciplinar a Bendtner
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Desporto  >  Euro 2012  >   "Penso que na Holanda não me podem ver"
com vídeos

"Penso que na Holanda não me podem ver"

O ex-internacional português Maniche recordou alguns dos seus melhores momentos perante holandeses, ao serviço da seleção nacional. "Penso que, na Holanda, não me podem ver", diz, entre risos.
Lusa |
Maniche estava habituado a festejar frente a holandeses
Maniche estava habituado a festejar frente a holandeses / Jorge Simão

O antigo futebolista português Maniche admite ser uma "besta negra" para a seleção holandesa, à qual marcou "golos importantíssimos" nas fases finais dos Campeonatos da Europa de 2004 e do Mundo de 2006.

"Felizmente, tive a oportunidade de marcar dois golos importantíssimos contra a Holanda, um deles que jamais esquecerei e que ainda está presente na memória de muita gente, porque foi um golo fantástico (Euro-2004)", recordou o ex-jogador de Benfica e Sporting, em entrevista à Agência Lusa.

Depois desse golo, seguiu-se outro, dois anos depois: "Tive a felicidade de reencontrá-los no Mundial-2006 e a oportunidade novamente de fazer o golo da vitória".

"Se fosse contra equipas holandesas, estava garantido que as coisas corriam bem"


"Penso que na Holanda não me podem ver. Depois disso, joguei pelo Atlético de Madrid contra o PSV (equipa holandesa), marquei um golo e ganhámos por 3-0, na Liga dos Campeões. Se fosse contra equipas holandesas, estava garantido que as coisas corriam bem", disse Maniche. 
 
Apesar do protagonismo nos embates recentes frente à seleção laranja, o ex-internacional luso salienta que a sua "prioridade" era sempre "ajudar a equipa" e que, como atuava no meio-campo, conseguia espaços para visar as balizas adversárias e, por vezes, chegar ao golo. 
 
"Na minha posição, tinha mais facilidade em encontrar espaços para rematar e felizmente, nessas poucas oportunidades, rematei com o intuito de fazer golo. Obviamente que as pessoas dizem: 'nunca mais vais fazer um golo igual àquele'. Acredito que podem ter razão, mas quando chutei foi mesmo para fazer golo", frisou. 

"Não estava estudado. São coisas do futebol" 


O golo marcado no Estádio José Alvalade, em Lisboa, a 30 de junho de 2004, está bem presente: "Foi com muita garra, com muita vontade de marcar o golo e ajudar a seleção a passar". 
 
O "tiro" com o pé direito foi indefensável para Edwin van der Sar: "Aquilo saiu. Não estava estudado. São coisas do futebol. É uma fração de segundo em que tomamos decisões e eu tomei a decisão certa. Era uma bola extremamente difícil para os guarda-redes". 
 
Dois anos depois, Maniche voltou a bater Van der Sar e a dar a vitória a Portugal, novamente com um "grande" golo, talvez mais decisivo, mas sem superar a qualidade do primeiro. 
 
"Foram dois golos muito importantes. No Europeu foi o segundo golo, foi o 2-0, é óbvio que foi o mais bonito. Penso que ainda está entre os 10 melhores. Mas. o outro foi o 1-0, num jogo muito intenso, muito complicado e deu os quartos de final. Foram expulsos dois jogadores nossos. O árbitro complicou-nos a vida", referiu Maniche, recordando a "Batalha de Nuremberga" - 16 amarelos e quatro vermelhos mostrados pelo russo Valentin Ivanov. 



Veja ou reveja o golo de Maniche à Holanda no Euro-2004:


Veja ou reveja o golo de Maniche à Holanda no Mundial-2006:

Opinião


Multimédia

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

United Colors of Gnocchi

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
"não me podem ver"
Nessa figura ninguém te pode ver!
Comentários 1 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub