1
Anterior
Seleção portuguesa faz último treino na Polónia
Seguinte
UEFA abre processo disciplinar a Bendtner
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Desporto  >  Euro 2012  >   "Penso que na Holanda não me podem ver"
com vídeos

"Penso que na Holanda não me podem ver"

O ex-internacional português Maniche recordou alguns dos seus melhores momentos perante holandeses, ao serviço da seleção nacional. "Penso que, na Holanda, não me podem ver", diz, entre risos.
Lusa |
Maniche estava habituado a festejar frente a holandeses
Maniche estava habituado a festejar frente a holandeses / Jorge Simão

O antigo futebolista português Maniche admite ser uma "besta negra" para a seleção holandesa, à qual marcou "golos importantíssimos" nas fases finais dos Campeonatos da Europa de 2004 e do Mundo de 2006.

"Felizmente, tive a oportunidade de marcar dois golos importantíssimos contra a Holanda, um deles que jamais esquecerei e que ainda está presente na memória de muita gente, porque foi um golo fantástico (Euro-2004)", recordou o ex-jogador de Benfica e Sporting, em entrevista à Agência Lusa.

Depois desse golo, seguiu-se outro, dois anos depois: "Tive a felicidade de reencontrá-los no Mundial-2006 e a oportunidade novamente de fazer o golo da vitória".

"Se fosse contra equipas holandesas, estava garantido que as coisas corriam bem"


"Penso que na Holanda não me podem ver. Depois disso, joguei pelo Atlético de Madrid contra o PSV (equipa holandesa), marquei um golo e ganhámos por 3-0, na Liga dos Campeões. Se fosse contra equipas holandesas, estava garantido que as coisas corriam bem", disse Maniche. 
 
Apesar do protagonismo nos embates recentes frente à seleção laranja, o ex-internacional luso salienta que a sua "prioridade" era sempre "ajudar a equipa" e que, como atuava no meio-campo, conseguia espaços para visar as balizas adversárias e, por vezes, chegar ao golo. 
 
"Na minha posição, tinha mais facilidade em encontrar espaços para rematar e felizmente, nessas poucas oportunidades, rematei com o intuito de fazer golo. Obviamente que as pessoas dizem: 'nunca mais vais fazer um golo igual àquele'. Acredito que podem ter razão, mas quando chutei foi mesmo para fazer golo", frisou. 

"Não estava estudado. São coisas do futebol" 


O golo marcado no Estádio José Alvalade, em Lisboa, a 30 de junho de 2004, está bem presente: "Foi com muita garra, com muita vontade de marcar o golo e ajudar a seleção a passar". 
 
O "tiro" com o pé direito foi indefensável para Edwin van der Sar: "Aquilo saiu. Não estava estudado. São coisas do futebol. É uma fração de segundo em que tomamos decisões e eu tomei a decisão certa. Era uma bola extremamente difícil para os guarda-redes". 
 
Dois anos depois, Maniche voltou a bater Van der Sar e a dar a vitória a Portugal, novamente com um "grande" golo, talvez mais decisivo, mas sem superar a qualidade do primeiro. 
 
"Foram dois golos muito importantes. No Europeu foi o segundo golo, foi o 2-0, é óbvio que foi o mais bonito. Penso que ainda está entre os 10 melhores. Mas. o outro foi o 1-0, num jogo muito intenso, muito complicado e deu os quartos de final. Foram expulsos dois jogadores nossos. O árbitro complicou-nos a vida", referiu Maniche, recordando a "Batalha de Nuremberga" - 16 amarelos e quatro vermelhos mostrados pelo russo Valentin Ivanov. 



Veja ou reveja o golo de Maniche à Holanda no Euro-2004:


Veja ou reveja o golo de Maniche à Holanda no Mundial-2006:

Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
"não me podem ver"
Nessa figura ninguém te pode ver!
Comentários 1 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub