1
Anterior
A guerra está calma!
Seguinte
Bolas de Berlim e chá frio!
Página Inicial   >  Blogues  >  Museu Virtual Aristides de Sousa Mendes  >   Pela janela vi a destruição!

Pela janela vi a destruição!

|
Barcelona (1936-1939)
Barcelona (1936-1939) / http://guerra-civil-espanhola.blogspot.com

1940 - Pequeno excerto da fuga de Joseph Dresner e sua família, pouco antes da invasão alemã e da capitulação francesa.


(...)

A passagem por Espanha

(...) Do outro lado na aldeia de La Junquera o meu pai esperava-nos. Depois veio um táxi que nos levou até à pequena cidade de Figueiras. Durante o trajecto vi que este país era muito diferente. Tudo o que conhecia de Espanha era o que tinha lido em D. Quixote. Quando vi um camponês andando com um burro, fiquei convencido que nada deveria ter mudado desde essa época até agora.

(...) No dia seguinte fomos para a estação ferroviária para irmos para Barcelona. Havia muitos homens a trabalhar na linha. Soubemos então, que eram presos republicanos da guerra civil. Fiquei triste, dois anos depois de tudo ter acabado e aqueles homens, ainda não eram livres. (...) Um dos republicanos disse-nos que o comboio estava atrasado porque primeiro tinha de passar o comboio com o rei Carol da Roménia e a sua amiga Magda Lupescu. (...)

Pouco depois chegou o comboio para Barcelona. A carruagem de 2ª classe estava bastante cheia. (...) Pela janela podia-se ver aqui e ali a destruição causada pela guerra civil. No banco à nossa frente estava um padre de batina e chapéu tipo disco voador.

Numa estação entraram dois guarda-civis de uniforme verde (...) que começaram a implicar com o meu pai por causa dos seus documentos. De repente o padre levantou-se e desatou a gritar com eles, qualquer coisa que não percebemos. Quando o padre terminou, os homens deram um "saludo" e saíram da carruagem. O meu pai foi agradecer ao padre que falava francês. Ficamos então a saber que ele lhe tinha dito "não se lembram da miséria da guerra no nosso país há tão pouco tempo? Porque é que não deixam em paz uma família que vem fugida de outra guerra?" Nunca esqueci esse padre. (...)

Chegamos à tarde a Barcelona (...). No dia seguinte, apanhámos o comboio para Madrid. É incrível como essa viagem durou mais de dez horas. O país parecia-me triste e arruinado pela guerra. Em cada estação havia muita gente ao longo da gare pedindo esmola aos passageiros.

Já era noite quando desembarcamos em Madrid. (...) No dia seguinte era um domingo. O meu pai teve a boa ideia de apanhar um táxi e pedir ao motorista que nos levasse a dar uma volta pela cidade para ver os lugares mais famosos e interessantes. Não estava habituado a cidades tão grandes com avenidas tão majestosas, por isso fiquei muito impressionado. A cidade era, porem, triste com muita pobreza e guarda-civis a cada esquina. Nunca lá quis voltar, nem mesmo quando estive de férias na Europa.

No outro dia à tarde voltamos a apanhar um comboio para Valência de Alcântara na fronteira com Portugal.

(...)

 



Fonte: Colecção particular Margarida Magalhães Ramalho


Clique para visitar o museu
MUSEU VIRTUAL
ARISTIDES SOUSA MENDES

Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Pérola
Para mim este blogue do MVASM é uma pérola do expresso.
  A forma como retratos de uma dimensão esquecida da Europa nos são trazidos com um traço original, mas que entretante adequiriu um tom nostálgico.
Contudo, é importante não esquecer que a faceta negativa da humanidade que tanto sofrimento causa por todo o mundo, muito sofrimento causau também na Europa.
De louvar a outra faceta que se revela em pessoas extraórdinarias que se elevam pelos actos e atitudes nesses momentos.

Apesar da crise, ainda vivemos na época mais pacífica e de maior conforto que a humanidade já viveu. Pelo menos na Europa e em algumas outras partes do mundo.
Comentários 1 Comentar

Últimas


Pub