1
Anterior
A guerra está calma!
Seguinte
Bolas de Berlim e chá frio!
Página Inicial   >  Blogues  >  Museu Virtual Aristides de Sousa Mendes  >   Pela janela vi a destruição!

Pela janela vi a destruição!

|
Barcelona (1936-1939)
Barcelona (1936-1939) / http://guerra-civil-espanhola.blogspot.com

1940 - Pequeno excerto da fuga de Joseph Dresner e sua família, pouco antes da invasão alemã e da capitulação francesa.


(...)

A passagem por Espanha

(...) Do outro lado na aldeia de La Junquera o meu pai esperava-nos. Depois veio um táxi que nos levou até à pequena cidade de Figueiras. Durante o trajecto vi que este país era muito diferente. Tudo o que conhecia de Espanha era o que tinha lido em D. Quixote. Quando vi um camponês andando com um burro, fiquei convencido que nada deveria ter mudado desde essa época até agora.

(...) No dia seguinte fomos para a estação ferroviária para irmos para Barcelona. Havia muitos homens a trabalhar na linha. Soubemos então, que eram presos republicanos da guerra civil. Fiquei triste, dois anos depois de tudo ter acabado e aqueles homens, ainda não eram livres. (...) Um dos republicanos disse-nos que o comboio estava atrasado porque primeiro tinha de passar o comboio com o rei Carol da Roménia e a sua amiga Magda Lupescu. (...)

Pouco depois chegou o comboio para Barcelona. A carruagem de 2ª classe estava bastante cheia. (...) Pela janela podia-se ver aqui e ali a destruição causada pela guerra civil. No banco à nossa frente estava um padre de batina e chapéu tipo disco voador.

Numa estação entraram dois guarda-civis de uniforme verde (...) que começaram a implicar com o meu pai por causa dos seus documentos. De repente o padre levantou-se e desatou a gritar com eles, qualquer coisa que não percebemos. Quando o padre terminou, os homens deram um "saludo" e saíram da carruagem. O meu pai foi agradecer ao padre que falava francês. Ficamos então a saber que ele lhe tinha dito "não se lembram da miséria da guerra no nosso país há tão pouco tempo? Porque é que não deixam em paz uma família que vem fugida de outra guerra?" Nunca esqueci esse padre. (...)

Chegamos à tarde a Barcelona (...). No dia seguinte, apanhámos o comboio para Madrid. É incrível como essa viagem durou mais de dez horas. O país parecia-me triste e arruinado pela guerra. Em cada estação havia muita gente ao longo da gare pedindo esmola aos passageiros.

Já era noite quando desembarcamos em Madrid. (...) No dia seguinte era um domingo. O meu pai teve a boa ideia de apanhar um táxi e pedir ao motorista que nos levasse a dar uma volta pela cidade para ver os lugares mais famosos e interessantes. Não estava habituado a cidades tão grandes com avenidas tão majestosas, por isso fiquei muito impressionado. A cidade era, porem, triste com muita pobreza e guarda-civis a cada esquina. Nunca lá quis voltar, nem mesmo quando estive de férias na Europa.

No outro dia à tarde voltamos a apanhar um comboio para Valência de Alcântara na fronteira com Portugal.

(...)

 



Fonte: Colecção particular Margarida Magalhães Ramalho


Clique para visitar o museu
MUSEU VIRTUAL
ARISTIDES SOUSA MENDES

Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Pérola
Para mim este blogue do MVASM é uma pérola do expresso.
  A forma como retratos de uma dimensão esquecida da Europa nos são trazidos com um traço original, mas que entretante adequiriu um tom nostálgico.
Contudo, é importante não esquecer que a faceta negativa da humanidade que tanto sofrimento causa por todo o mundo, muito sofrimento causau também na Europa.
De louvar a outra faceta que se revela em pessoas extraórdinarias que se elevam pelos actos e atitudes nesses momentos.

Apesar da crise, ainda vivemos na época mais pacífica e de maior conforto que a humanidade já viveu. Pelo menos na Europa e em algumas outras partes do mundo.
Comentários 1 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub