1 de novembro de 2014
Página Inicial   >  Opinião  >   Pedro Adão e Silva

Um interdito: criticar os media

 | 

Passos Coelho não tem legitimidade para criticar os jornalistas até porque a comunicação social manifesta em relação ao primeiro-ministro uma tolerância sem paralelo.

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

O Estado em outsourcing

 | 

Não sabemos se o Governo é movido por uma fúria ideológica contra o Estado ou se tem apenas enormes níveis de incompetência.

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

As malabarices orçamentais

 | 

O  lastro de destruição nas políticas públicas que este Governo deixará como legado estará acompanhado por um buraco orçamental, a corrigir pelo próximo Governo.

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

Por um Governo normal

 | 

Desde o início deste Governo houve sempre um propósito implícito: degradar o Estado e a administração pública.

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

Não pensar como a direita

 | 

Se o PS não quer ficar condenado a governar como a direita, tem muito ainda que pensar e pensar de forma diferente.

 

  

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

Primárias: vantagem ou problema?

 | 
Em vez de os partidos se precipitarem a copiar o PS, talvez fosse melhor refletirem se as primárias são uma vantagem ou um problema.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

Estado de Citius

 | 

Por mais sofreguidão legislativa sobre pedofilia que revele, Teixeira da Cruz não será capaz de disfarçar a sua incompetência para governar a justiça em Portugal.

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

Quem ganhou?

 | 

Este contexto leva a que o adversário de Seguro seja Costa, enquanto o adversário de Costa é Passos Coelho.

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

Os executores testamentários

 | 

Faz todo o sentido ter um ex-membro do Governo português, que seguiu com zelo exemplar um programa de empobrecimento, como responsável pelas áreas sociais na Europa.

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

O drama e os equívocos

 | 

Não fora os acórdãos do Constitucional e o Governo não resistiria ao que mais gosta de fazer: lançar doses redobradas de austeridade sobre a economia. Com insucesso garantido.

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE
Arquivo

Pub