Anterior
Coligação devia acabar, defende Pacheco Pereira
Seguinte
TSU só aumenta para quem ganha mais de 700 euros
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Mais austeridade  >   Passos reúne-se com Comissão Política para avaliar posição do CDS

Passos reúne-se com Comissão Política para avaliar posição do CDS

Passos Coelho reúne-se hoje com a Comissão Política do PSD para analisar as divergências na coligação do Governo com o CDS-PP.
Lusa |
Passos vai debater as "tensões" da coligação
Passos vai debater as "tensões" da coligação / Nuno Veiga/Lusa

O primeiro-ministro e presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, reúne-se hoje à noite com a Comissão Política social-democrata, num momento de divergências na coligação com o CDS-PP e de forte contestação às novas medidas de austeridade.

Antes da reunião, Passos Coelho recebe em São Bento, ao final da manhã, os parceiros sociais que em janeiro assinaram um acordo de concertação com o Governo - UGT e entidades patronais - e que agora contestam a decisão de descer de 23,75 para 18 por cento a Taxa Social Única (TSU) paga pelas empresas à custa do aumento das contribuições dos trabalhadores de 11 para 18%.

Esta medida, anunciada há 12 dias pelo primeiro-ministro, suscitou protestos generalizados, incluindo de personalidades sociais-democratas, levou o PS a ameaçar apresentar uma moção de censura ao Governo e mesmo o CDS-PP se demarcou dela publicamente - o que causou desagrado e irritação dentro do PSD.

Paulo Portas discordou, mas concordou


No domingo, em conferência de imprensa, o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros e presidente do CDS-PP, Paulo Portas, relatou que, dentro do Governo, foi informado, mas discordou das alterações à TSU e apontou "outros caminhos".

Na mesma ocasião, depois de ouvir os órgãos do seu partido, Paulo Portas pediu abertura ao executivo para reavaliar essa medida com os parceiros sociais e com as instituições do país.

O PSD reagiu a esta intervenção de Paulo Portas convocando reuniões da Comissão Permanente e da Comissão Política Nacional com o objetivo de "analisar e avaliar de um modo muito detalhado as decisões do CDS-PP", que considerou não serem "indiferentes para a coligação e, porventura, para o próprio Governo".

"Mantemos o nosso sentido de responsabilidade"


A Comissão Permanente do PSD reuniu-se na segunda-feira, sem a presença de Passos Coelho, e, desde então, os dirigentes do PSD têm-se remetido ao silêncio, com exceção de uma curta declaração feita pela vice-presidente do partido Teresa Leal Coelho.

"Mantemos o nosso sentido de responsabilidade e vamos conseguir ultrapassar esta questão política", declarou a dirigente social-democrata às televisões que a interpelaram quando saiu da sede nacional do PSD, em Lisboa.

Desde que anunciou as alterações à TSU, Passos Coelho voltou a falar dessa medida uma única vez, em entrevista à RTP1, não se mostrando disponível para abdicar dela, mas admitindo acordar com os parceiros sociais "uma forma de discriminar positivamente aqueles que têm rendimentos mais baixos", se possível até à entrega do Orçamento do Estado para 2013.

Na altura, Passos Coelho adiantou que isso poderia ser feito "ou através de um crédito fiscal ou, se isso se revelar mais eficiente, através da diferenciação da própria taxa para a Segurança Social".


Opinião


Multimédia

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
Com o Passos a cantar...
Todos os patinhos sabem bem nadar. Sabem bem nadar. Cabeça para baixo, rabinho para o ar. Cabeça para baixo, rabinho para o ar....

refrão: lá, lá, lá, lá...

www.youtube.com/watch?v=t6eXQ9ZsUu4
PSD e CDS devem avaliar o que os separa de Portuga
Importaria discutir hoje, na Comissão Política, o que separa este Governo, da realidade do País. Importaria propôr alguma redução nas taxas de juro a praticar pelas instituições financeiras, nomeadamente a CGD. Importaria pôr dinheiro a circular na economia nacional, de forma a que o mesmo chegasse às famílias portuguesas e às empresas PORTUGUESAS. Talvez não seja tão dramático para a Banca, no seu geral, se as suas margens reduzissem um pouco (afinal, as margens dos cidadão já vêm a reduzir (muito) há muito tempo). Passos Coelho que defenda esta medida junto da Banca Nacional e Paulo Portas junta da Banca Europeia (agora que ficou íntimo do Ministro Alemão que nele deposita as melhores esperanças). A não esquecer que os cidadãos e as empresas suportam taxas de juro, dos bancos, desproporcionadamente acima das taxas suportadas por estes (cerca de 0,75%); alguma desta margem poderia ajudar assim a economia, em vez de servir apenas para "limpar" balanços contabilísticos bancários e servir para os bancos fazerem investimentos com dinheiro "barato" e, no final, a pagar por todos nós cidadãos (não esquecer que os bancos estão a IMPORTAR dinheiro para si, que se transforma em dívida nacional a pagar por todos.
Comentários 2 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub