Anterior
Coligação devia acabar, defende Pacheco Pereira
Seguinte
TSU só aumenta para quem ganha mais de 700 euros
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Mais austeridade  >   Passos reúne-se com Comissão Política para avaliar posição do CDS

Passos reúne-se com Comissão Política para avaliar posição do CDS

Passos Coelho reúne-se hoje com a Comissão Política do PSD para analisar as divergências na coligação do Governo com o CDS-PP.
Lusa |
Passos vai debater as "tensões" da coligação
Passos vai debater as "tensões" da coligação / Nuno Veiga/Lusa

O primeiro-ministro e presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, reúne-se hoje à noite com a Comissão Política social-democrata, num momento de divergências na coligação com o CDS-PP e de forte contestação às novas medidas de austeridade.

Antes da reunião, Passos Coelho recebe em São Bento, ao final da manhã, os parceiros sociais que em janeiro assinaram um acordo de concertação com o Governo - UGT e entidades patronais - e que agora contestam a decisão de descer de 23,75 para 18 por cento a Taxa Social Única (TSU) paga pelas empresas à custa do aumento das contribuições dos trabalhadores de 11 para 18%.

Esta medida, anunciada há 12 dias pelo primeiro-ministro, suscitou protestos generalizados, incluindo de personalidades sociais-democratas, levou o PS a ameaçar apresentar uma moção de censura ao Governo e mesmo o CDS-PP se demarcou dela publicamente - o que causou desagrado e irritação dentro do PSD.

Paulo Portas discordou, mas concordou


No domingo, em conferência de imprensa, o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros e presidente do CDS-PP, Paulo Portas, relatou que, dentro do Governo, foi informado, mas discordou das alterações à TSU e apontou "outros caminhos".

Na mesma ocasião, depois de ouvir os órgãos do seu partido, Paulo Portas pediu abertura ao executivo para reavaliar essa medida com os parceiros sociais e com as instituições do país.

O PSD reagiu a esta intervenção de Paulo Portas convocando reuniões da Comissão Permanente e da Comissão Política Nacional com o objetivo de "analisar e avaliar de um modo muito detalhado as decisões do CDS-PP", que considerou não serem "indiferentes para a coligação e, porventura, para o próprio Governo".

"Mantemos o nosso sentido de responsabilidade"


A Comissão Permanente do PSD reuniu-se na segunda-feira, sem a presença de Passos Coelho, e, desde então, os dirigentes do PSD têm-se remetido ao silêncio, com exceção de uma curta declaração feita pela vice-presidente do partido Teresa Leal Coelho.

"Mantemos o nosso sentido de responsabilidade e vamos conseguir ultrapassar esta questão política", declarou a dirigente social-democrata às televisões que a interpelaram quando saiu da sede nacional do PSD, em Lisboa.

Desde que anunciou as alterações à TSU, Passos Coelho voltou a falar dessa medida uma única vez, em entrevista à RTP1, não se mostrando disponível para abdicar dela, mas admitindo acordar com os parceiros sociais "uma forma de discriminar positivamente aqueles que têm rendimentos mais baixos", se possível até à entrega do Orçamento do Estado para 2013.

Na altura, Passos Coelho adiantou que isso poderia ser feito "ou através de um crédito fiscal ou, se isso se revelar mais eficiente, através da diferenciação da própria taxa para a Segurança Social".


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
Com o Passos a cantar...
Todos os patinhos sabem bem nadar. Sabem bem nadar. Cabeça para baixo, rabinho para o ar. Cabeça para baixo, rabinho para o ar....

refrão: lá, lá, lá, lá...

www.youtube.com/watch?v=t6eXQ9ZsUu4
PSD e CDS devem avaliar o que os separa de Portuga
Importaria discutir hoje, na Comissão Política, o que separa este Governo, da realidade do País. Importaria propôr alguma redução nas taxas de juro a praticar pelas instituições financeiras, nomeadamente a CGD. Importaria pôr dinheiro a circular na economia nacional, de forma a que o mesmo chegasse às famílias portuguesas e às empresas PORTUGUESAS. Talvez não seja tão dramático para a Banca, no seu geral, se as suas margens reduzissem um pouco (afinal, as margens dos cidadão já vêm a reduzir (muito) há muito tempo). Passos Coelho que defenda esta medida junto da Banca Nacional e Paulo Portas junta da Banca Europeia (agora que ficou íntimo do Ministro Alemão que nele deposita as melhores esperanças). A não esquecer que os cidadãos e as empresas suportam taxas de juro, dos bancos, desproporcionadamente acima das taxas suportadas por estes (cerca de 0,75%); alguma desta margem poderia ajudar assim a economia, em vez de servir apenas para "limpar" balanços contabilísticos bancários e servir para os bancos fazerem investimentos com dinheiro "barato" e, no final, a pagar por todos nós cidadãos (não esquecer que os bancos estão a IMPORTAR dinheiro para si, que se transforma em dívida nacional a pagar por todos.
Comentários 2 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub