Anterior
PSD elogia "sinceridade" de Passos
Seguinte
PS: excedente prova que "havia margem para não cortar subsídio de Natal"
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Economia  >  Orçamento do Estado 2012  >   Passos: "Não há folgas, nem almofadas" (vídeo)

Passos: "Não há folgas, nem almofadas" (vídeo)

O primeiro-ministro afirmou que os dois mil milhões de euros do fundo de pensões da banca que o Governo vai injetar na economia são para pagar dívidas aos fornecedores do Estado. Clique para visitar o dossiê Orçamento do Estado 2012
"Seria revoltante, sendo Portugal o segundo país mais desigual da Europa, não ir concertando as coisas de modo a tornar o país mais justo", disse Passos
"Seria revoltante, sendo Portugal o segundo país mais desigual da Europa, não ir concertando as coisas de modo a tornar o país mais justo", disse Passos  / Miguel A.Lopes/Lusa
Os dois mil milhões de euros do fundo de pensões da banca que o Governo vai injetar na economia são para pagar dívidas, melhorando a situação das empresas e a liquidez dos bancos, explicou hoje o primeiro-ministro.
Clique para aceder ao índice do dossiê Orçamento do Estado 2012

"Os dois mil milhões retirados do fundo de transferências de pensões da banca serão injetados na economia através de um processo de regularização de pagamentos de dívidas que o próprio Estado tem", explicou Pedro Passos Coelho.

O primeiro ministro falava aos jornalistas no final da sessão evocativa em memória de Francisco Sá Carneiro, no Porto, esclarecendo que o pagamento de dívidas do Estado às empresas permitirá que estas paguem aos bancos e que "essa liquidez bancária" fique "disponível para poder ser recirculada".

O governante garantiu, no entanto, que não há margem para aliviar o esforço dos portugueses com estes seis mil milhões de euros que chegarão às mãos do Estado por via da transferência dos ativos dos fundos de pensões dos bancos.

Objetivo: cumprir o défice de 5,9%


"Aqui não há folgas nem almofadas. Não é disso que estamos a tratar. Há um excedente de liquidez. Não estou a falar da despesa do Estado e da necessidade de baixar essa despesa em 2012. Estamos a falar de disponibilidades em 2011 que são transferidas para o Estado e que o Estado pode usar para pagar dívidas", frisou.

Passos Coelho explicou que a transferência dos ativos do fundo de pensões foi "a única forma" encontrada pelo Governo para cumprir o défice de 5,9%.

"A única forma de atingir o objetivo de 5,9% de défice no final do ano era com medidas excecionais do género desta. Em bom rigor não tínhamos outra, dado o pouco tempo que tínhamos para corrigir a trajetória das finanças públicas. A única possibilidade era chegar a acordo com os bancos para transferir fundos de pensões para o Estado", esclareceu.

Os "quase seis mil milhões de euros" permitiram deixar o défice de 2011 "substancialmente abaixo dos 5,9%", mas Passos Coelho garante não ser possível voltar atrás nas medidas de austeridade.

"Não, porque isto é uma medida de caráter extraordinário. E no próximo ano precisamos de baixar a nossa despesa. No próximo ano não poderemos utilizar os fundos de pensões ou outras medidas de caráter excecional para compor o défice", afirmou.

De acordo com o primeiro-ministro, "as pessoas saberão que o défice deste ano ficou abaixo dos 5,9% devido a uma medida extraordinária que não pode ser repetida".

Esta medida "significa um encaixe adicional para o Estado de ativos de que o Estado não disporia por via da execução do seu orçamento ou da coleta dos impostos".

Parte da verba destina-se à Segurança Social


"Dos ativos todos, uma parte tem de ficar por conta das responsabilidades imediatas: os pensionistas e reformados que no próximo ano têm de receber pensões e reformas. Outra parte deve ser capitalizada de forma a garantir que, no futuro, essas responsabilidades continuarão a ser saldadas pelo Estado sem agravamento de outros contribuintes", observou o primeiro-ministro.

Os dois milhões para injetar na economia de que Passos Coelho falou na entrevista que hoje faz manchete no jornal "Público" são para pagar dívidas a fornecedores.

"Como o Estado tem tido dificuldade em dispor de liquidez suficiente para fazer regularização de dívidas com fôlego suficiente para diminuir o problema, essa oportunidade surgiu agora com a transferência dos ativos que estão nos fundos de pensões dos bancos. Transitando para o Estado, poderão ser descongelados e utilizados no curto médio prazo para a regularização de dividas".

Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 54 Comentar
ordenar por:
mais votados
O caminho das Pedras!
É perceptivel que este Governo resolveu por mãos à obra e começar a pagar os calotes, coisa a que já não estávamos habituados.
Foram quinze maravilhosos anos de engodo, e o dificil é enfrentarmos a realidade.
Mas como em tudo na vida, há sempre alguém que nos mostra o caminho das pedras, muito mais dificil de fazer do que o caminho do abismo, sempre cheio de utopias e enganadoras verdades.
Re: O caminho das Pedras!
Re: O caminho das Pedras!
Re: O caminho das Pedras!
Re: O caminho das Pedras!
Re: O caminho das Pedras!
Re: O caminho das Pedras!
Re: O caminho das Pedras!
Re: O caminho das Pedras!
Re: O caminho das Pedras!
Re: O caminho das Pedras!
Bem se vê que Você é um AZININO !
Re: O caminho das Pedras!
Passos:2 mil milhões para melhorar o País, ou não?
Passos Coelho disse:

"Os dois mil milhões retirados do fundo de transferências de pensões da banca serão injetados na economia através de um processo de regularização de pagamentos de dívidas que o próprio Estado tem"

Parece-me bem que o Governo comece a pôr a casa em ordem.

Esbanjar esse dinheiro em aplicações de pouca sustentabilidade. é o pior que podia acontecer.

Vamos ver se Passos é o homem do leme, para chegarmos a bom porto.

Re: Passos:2 mil milhões para melhorar o País, ou
Re: Passos:2 mil milhões para melhorar o País, ou
Re: Passos:2 mil milhões para melhorar o País, ou
Re: Passos:2 mil milhões para melhorar o País, ou
!
Aqui está o Estado a funcionar à boa maneira. Um "estado social" tão apregoado por sócrates, o aldrabão, a viver dos fundos de pensões de quem trabalhou uma vida inteira. Roubar o subsídio de Natal e de férias aos pensionistas para o meter no Estado e pagar aos fornecedores. É isto que tenho lido nos jornais. E quando se acabarem os fundos de pensões? Será que os culpados disto dão um tiro na cabeça como faziam na minha terra aqueles que iam vendendo os bens imóveis que possuiam apenas para os gastos do dia a dia e não queriam trabalhar? Não me cheira. Os culpados do regabofe e da desgovernação dos últimos anos devem ir para Cabo verde ou estudar filosofia com os bolsos a abarrotar. Quanto mais leio e vejo, mais gosto dessa cambada de incompetentes, mentirosos, aldrabões, troca-tintas, pantimineiros e ladrões, que estiveram a gerir o bolo nos últimos anos.
Corte nos subsídios podia ter sido evitado
Corte nos subsídios podia ter sido evitado

No jantar, António José Seguro voltou também a defender que o encaixe nos cofres do Estado dos fundos de pensões da banca poderia ter evitado o corte nos subsídios de Natal deste ano.

"O défice orçamental fixado para este ano vai ser atingido e não era necessário ter pedido metade do subsídio de Natal aos portugueses. Isto é não ter sensibilidade social", afirmou o líder socialista, aludindo aos seis mil milhões de euros que o Estado recebeu dos fundos de pensões do bancos.

O responsável disse que outras medidas de austeridade impostas pelo Governo poderiam ter sido evitadas, nomeadamente o aumento do IVA sobre a eletricidade e o gás. Bastava, apontou, que a maioria tivesse aprovado propostas alternativas do maior partido da oposição, nomeadamente o aumento da tributação de IRC nas maiores empresas.

Injetar liquidez na economia

"Aqui têm dois exemplos de duas medidas profundamente injustas que vão diretamente ao bolso dos trabalhadores e dos pensionistas e que não eram necessárias, porque o Governo podia ir buscar receita de outra maneira", insistiu.

Reafirmando a necessidade de uma linha de crédito para injetar liquidez na economia, o secretário-geral socialista lembrou que "essa é a forma de ajudar a resolver" a crise no país.

"São as empresas que criam riqueza, que criam emprego. Um país para pagar as suas dívidas tem que criar riqueza e emprego", destacou.

http://goo.gl/Y4gYY

Re: Corte nos subsídios podia ter sido evitado
Re: Corte nos subsídios podia ter sido evitado
Cúmulo da propaganda , insensibilidade , e gozo
"Seria revoltante, sendo Portugal o segundo país mais desigual da Europa, não ir concertando as coisas de modo a tornar o país mais justo", disse Passos

Estas declarações são o cúmulo da propaganda , no ponto mais baixo e reles que se pode chegar , da insensibilidade e falta de vergonha perante quem mais sofre , perante tamanho despautério chegam a ser declarações ofensivas e com carácter xenófobo.
Um governante , um primeiro ministro tem que ter o mínimo de sensibilidade , este não tem nenhuma , nem um mínimo de pudor parece ter , se não , não dizia estas asneiras , parece que caíu aqui de paraquedas de tão desfazado da realidade está , este 1º ministro é um atentado.

Ao mesmo tempo que está a roubar os mais pobres e remediados ainda vem com estas a gozar o pagode e a cara de quem está a fazer grandes sacrifícios mais do que o que podia.

Mas que grande ...
Governar não é cavar buracos para tapar outros
"Os dois mil milhões retirados do fundo de transferências de pensões da banca serão injetados na economia através de um processo de regularização de pagamentos de dívidas que o próprio Estado tem", explicou Pedro Passos Coelho.

Tapa estes buracos , ao mesmo tempo cria outros como o aumentodo IVA na electricidade e no gaz , na restauração , etc ...

Não se governa um país tapando um buraco , criando outro ao lado , ainda para mais esta história do fundo de pensões da banca não se vai repetir no próximo ano , em que as condições economicas do país vão ser bastante piores , para não dizer , desastrosas.
Ou seja já não vai dar para criar novos buracos ao lado para tapar o principal porque este de tão grande vai engolir logo esses.

Re: Governar não é cavar buracos para tapar outros
Re: Governar não é cavar buracos para tapar outros
Re: Governar não é cavar buracos para tapar outros
Sr Passos
Não quero saber das folgas, e folgo que o estado pague a quem deve e indemenize a quem não tem pago, mas o que eu quero é a justiça a funcionar e quem nos meteu nesta alhada pague com juros.
Ou não está interessado nisso!
Passos Não há folgas, nem almofadas
(BrincaNareia (seguir utilizador), 2 pontos , hoje às 3:49)
Viva

Se me permite, posso dar uma achega, já que o colega de fórum Toni2, pode não saber a "história" em grande pormenor. Creio ter sido eu que em tempos aqui passei a informação, como algumas outras que consigo saber com antecipação.

PPC enquanto administrador do grupo Fomentinvest, tinha como "patrões" vários sócios comuns ao universo da holding e da SLN. PPC foi administrador de quase tudo, umas 10 empresas no espaço de meia-dúzia de anos. Em simultâneo era também director-financeiro das empresas que tinham sócios comuns. E foi nessa qualidade "de empregado" que assinou várias escrituras de compra-e-venda, de favor e fictícias, para que as ditas saíssem da órbita da SLN, quando se falou da possível privatização em bloco com o BPN. PPC sabia do caldinho, pois a mudança era meramente de nomes, não havendo qualquer movimento de dinheiro e ou de responsabilidades entre as partes. Existe fraude e burla (combinada) já que essas empresas que "mudaram de mãos", eram devedoras ao BPN de milhões de milhões, dívidas entretanto assumidas e tuteladas por uma outra empresa que veio a falir. Como seria de prever !
Só para dizer, que quem bem colocado na laranjada, sempre soube o que se passava no BPN.
A revista Sábado está a concluir uma investigação, da qual já fez um artigo abordando este negócio. Só que o passado de PPC, parece ter sido alvo de um apagão, alvo do lápis-azul.
...

ROUBAR, ROUBAR, ROUBAR...
TODOS OS DIAS ESTE BANDIDO LADRÃO DE REFORMADOS SE VAI REVELANDO MAIS IGUAL AO ANTERIOR LADRÃO !!! E CADA VEZ MELHOR, MAIS REQUINTADO, ELE E OS JAGUNÇOS QUE O SEGUEM !!!

ENTÃO NÃO HAVIA "ALMOFADA" E AGORA VAI ENTREGAR ESTA VERBA AOS BANCOS ???

O QUE MERECE UM BANDIDO DESTES, QUE ATÉ ÁS CRIANÇAS MENTE, QUANTO MAIS AOS ADULTOS ??? E QUE VAI AGORA DIZER O AMORIM, NA TV ? QUE JAVARDICE É ESTA ???

DE QUE ESTÃO AS FORÇAS ARMADAS Á ESPERA PARA PRENDEREM ESTE LADRÃO, JÁ QUE MAIS NINGUÉM O PRENDE ???

DESEJO-LHE UM NATAL DO PIOR, COM UMA CONJESTÃO QUANDO ESTIVER A COMER O QUE ROUBOU AOS REFORMADOS E A QUEM TRABALHA !!! ISTO É O MELHOR DESEJO...O OUTRO DESEJO É QUE O COMANDANTE CHEFE DAS FORÇAS ARMADAS, QUE PARECE SER O INQUILINO DE BELÉM, NÃO ALINHE NESTE ASSALTO, COMO ALINHOU NO DO BPN, BPP E OUTROS...

MAS ...NÃO O FARÁ !!! AFINAL SÃO DA MESMA "SEITA" DE LADRÕES !!!

PODIAM SER ORIGINAIS E DIFERENCIAREM-SE DOS ANTERIORES, MAS É TUDO A MESMA COISA !!!
Re: Conjestão?!?
Re: Conjestão?!?
Re: Conjestão?!?
Re: ROUBAR, ROUBAR, ROUBAR...
Re: ROUBAR, ROUBAR, ROUBAR...
Re: ROUBAR, ROUBAR, ROUBAR...
Claro que não há folgas.
Qual vai ser a folga do País, que no ano 2015, terá uma
dívida de 200Mil MIlhões para pagar ? cerca de 120-130% do PIB ?

Como é que este País, vai alguma vez pagar esta dívida ?

Como é que este país, vai conseguir pedir emprestado os 40 Mil Milhões, que necessitará em 2014-2015 ? a que juros ?

Folga ? a proxima folga vai aparecer no proximo ano...onde um imposto super especial vai levar o 13 e 14 do privado.

Re: Claro que não há folgas.
O MEU PAPEL
Qual o meu papel no combate contra a corrupção, a injustiça e a irresponsabilidade política no nosso país? A minha crítica mostra-se coerente com os meus actos e com as minhas escolhas? A minha participação democrática resume-se à escolha de um símbolo partidário que depois toma todas as decisões por mim. Faço realmente parte de uma democracia ou sou vítima de uma burla política? A 100editora.net iniciou a primeira batalha. Vale a pena participar?
e os direitos dos trabalhadores?
PPC entende que apenas a transferência dos fundos de pensões é uma medida extraordinária, de onde se infere que o corte dos subsídios é considerado um ato de administração ordinária. Logo, resulta implícito que é uma medida para ficar, com caráter definitivo e não temporário, ao contrário do que tem vindo a afirmar e que tem sido desmentido pelos analistas.
Defende ainda que o excedente vai ser usado para pagar quantias em dívida a fornecedores. Claro que as dívidas são para pagar, mas PPC não pode escamotear que também os trabalhadores são credores dos cortes nos subsídios que sofreram e, por maioria de razão, têm o direito a ser ressarcidos, uma vez que é o seu dinheiro que está ser encaminhado para outras despesas.
Se eu esbulhar o patrimóinio de terceiros a fim de pagar as minhas contas, não terei razão para reclamar do custo de vida.
Quem fala da anterior prática de esbanjamento de recursos e de aumento irresponsável da dívida pública, por objetivas que sejam as suas razões, está a esquecer que este governo vai buscar dinheiro que ñão lhe pertence. Se governos de outra cor tivessem feito o mesmo, estou cconvencido de que os que hoje defendem esta política de austeridade, injusta, desigual e desproporcionada, seriam os primeiros a protestar. Aliás, a questão nem sequer passa por ser uma medida avessa aos princípios da justiça, igualdade e proporcionalidade, bastaria que fossem abrangidos os que hoje contam vir a obter ganhos pessoais com as dificuldades dos outros
Agora está explicado !!!
Agora sim, sr PM está explicado: é que há muito povinho que adora fazer-se de burro e muito mais que gosta de viver à custa dos outros e se arma em chico esperto !!!
Pensões???
Re: Pensões???
Re: Pensões???
Que esperar deste incompetente?
Este rapazinho, que mal conseguia gerir empresas de vão de escada, foi colocado pelos portugas a governar a vida de 10 milhões de inocentes.
Estão à espera de milagres?
Acreditem que vamos de mal a pior com esta gentalha.
Mais aldrabões que os anteriores, e infinitamente mais manipuladores.
Comentários 54 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub