Anterior
Miguel Relvas, o "diabinho negro"
Seguinte
Quando for grande, quero ser gestor público!
Página Inicial   >  Blogues  >  Politicoesfera  >  Passos: lixa-te para as eleições, mas não lixes os portugueses!

Passos: lixa-te para as eleições, mas não lixes os portugueses!

|

1. A tirada de Passos Coelho, proferida na segunda-feira aos deputados do PSD, causou uma reacção, porventura, excessiva. Recorde-se que Passos Coelho afirmou que se está a lixar para as eleições, pois a situação de Portugal é muito mais relevante. Se o PSD perder as eleições, mas Portugal consolidar as suas finanças públicas, Passos Coelho ficará feliz. Será que estas declarações representam uma "ruptura civilizacional", a primeira frase patriótica de um Primeiro-Ministro desde o 25 de Abril, como referiram alguns comentadores da direita? Ou foram, como defendeu Daniel Oliveira aqui no EXPRESSO, uma hipocrisia política e uma desconsideração para com a democracia? Vamos por partes.

 As verdadeiras palavras de Passos Coelho

2. Em primeiro lugar, Passos Coelho está visivelmente cansado. Não é pelos quilos que visivelmente perdeu, como foi noticiado por um tablóide português, mas pela forma como Passos Coelho discursa: mais lento, mais pausadamente, mais receoso quanto às suas palavras. Há um desgaste físico (e anímico!) do Primeiro-Ministro visível, reflectindo-se, assim, na pessoa de Passos Coelho, as fraquezas e os casos mal esclarecidos do seu Governo, nomeadamente, as "trafulhices" e casos muito mal esclarecidos de Miguel Relvas. Além disso, chamamos a atenção para um pormenor interessante e bastante ilustrativo de um certo desespero de Passos Coelho: o nosso PM é muito racional, cerebral, equilibrado, nada emotivo. Nos discursos desta semana, foi o contrário: Passos Coelho, pela primeira vez, falou mais com o coração do que com a razão. Para já, pelo vocabulário utilizado: Passos Coelho costuma ser muito cuidadoso com o seu discurso e as palavras utilizadas; desta vez, Passos Coelho optou pelo verbo popular "lixar". O que confirma que Passos Coelho optou por um discurso mais emocional do que racional. Aquela frase - "estou a lixar-me para as eleições" - mostra que Passos está irado, farto de algumas atitudes do seu partido e de membros do seu Governo, que teima em não remodelar.

3. Por outro lado, ainda quanto à forma, Passos pretende dar a ideia de que não há uma distinção entre "nós"(o povo) e "eles" (os governantes): ao dizer que se "está a lixar para as eleições", Passos Coelho quer dar a ideia de que também é um homem do povo, que se irrita, que fala sem discursos metodicamente preparados - é um de nós.

4. Posto isto, lamento desiludir a imensa multidão que se apaixonou pelas declarações de Passos Coelho, mas há que afirmar, sem rodeios, a verdade: é que esta declaração tem um inequívoco significado político. Qual é ele? Fácil: desresponsabilizar-se ou atenuar a responsabilidade política de Passos Coelho, em caso de derrota do PSD, nas autárquicas ou nas europeias. Mais: a mensagem de Passos Coelho, para além dos deputados do PSD, teve, ainda, outro destinatário - o Partido Socialista. Efectivamente, Passos Coelho pretendeu já evitar qualquer leitura nacional das autárquicas ou das europeias - a legitimidade do Governo não ficará afectada por eventuais derrotas eleitorais.

5. Ademais, Passos Coelho conseguiu, ainda, alcançar um outro efeito que pretendia: desviar a atenção mediática das eleições que se aproximam. A um ano de distância, Passos Coelho quer adiar o mais possível (até para evitar divergências internas, num momento em que exige um partido unido no apoio ao Governo) a discussão sobre candidatos e evitar que se crie (e intensifique!) a ideia de que os próximos actos eleitorais serão testes ao seu Governo.

5.1. Ora, estes foram os únicos efeitos políticos relevantes das declarações de Passos Coelho: o resto foi puro exagero e imaginação criativa de alguns comentadores. Portugal mudou porque Passos Coelho pediu aos seus companheiros para se lixarem para as eleições? Esta é uma frase que todos subscrevemos, mas sem conteúdo político útil. José Sócrates dizia o mesmo; Durão Barroso (o nosso Zé Manuel da Europa) afirmava o mesmo; Guterres e Cavaco bradavam aos céus que só Portugal interessava. Resultado: Portugal esteve à beira da bancarrota, tendo de pedir o auxílio financeiro do FMI e das instâncias europeias.

5.2. De facto, Passos Coelho já deveria saber que o patriotismo e o sentido de Estado não decorrem só de palavras, nem de discursos: decorrem de actos concretos, de medidas justas e equitativas entre os portugueses. Até agora, o Governo Passos Coelho tem sido a negação de um executivo preocupado com as dificuldades dos portugueses. Bem pode Passos Coelho dizer que se está a lixar para as eleições - no minuto a seguir, Marco António Costa já lhe está a ligar para o relembrar que lhe prometera a Presidência da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia.

6.A verdade é que Passos Coelho, querendo lixar-se para as eleições, tem lixado, como nunca, os portugueses - sobretudo, os mais jovens. Voltaremos a esta temática amanhã.

Email:politicoesfera@gmail.com


Opinião


Multimédia

Quase ninguém ficou em casa

Foi num 25 de Abril como o deste sábado, mas há 40 anos e numa liberdade então recentemente tomada: a 25 de Abril de 1975, Portugal testemunhou as primeiras eleições livres e universais após quase meio século de ditadura. Estas são as histórias, os retratos, os apelos e as memórias de um tempo que mudou o rosto do país.

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

26 mil esferográficas, 14 mil urnas e 760 quilos de lacre. Os números de uma eleição histórica

Mais de mil caixas de lacre foram usadas pelas secções de voto que por todo o país, no dia 25 de abril de 1975, recolheram os boletins de milhões de eleitores. O Expresso percorreu os quatro mapas de despesas das eleições para a Assembleia Constituinte, elaborados pelo STAP, para saber quanto dinheiro esteve envolvido, onde e como foi gasto. Cada valor em escudos foi convertido para euros a preços correntes, tendo em conta a inflação. 

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.


Comentários 15 Comentar
ordenar por:
mais votados
Sócrates é que lixou os Portugueses,ó Lemos!
Nãp há maneira de aprender,este Lemos.Parece bom rapaz,mas a ser teimoso como é ainda sai na próxima curva!
Re: Sócrates é que lixou os Portugueses,ó Lemos!
Re: Sócrates é que lixou os Portugueses,ó Lemos!
Nada de novo
Parece-me que descobri a maneira de trabalhar de Lemos.

Lê o que pode sobre um assunto, tenta fazer uma salada russa com os ingredientes que vai coleccionando e está a crónica feita. Acrescenta uns adjectivos, destila um pouco de veneno, para apimentar o assunto, mas, bem espremido, o limão está seco.

Acaba-se de ler o texto e não se sabe o que pretende o autor, excepto dizer mal do Passos e do Relva. Para isso, tem que se pôr na bicha.

Este episódio do "que se lixe", sempre me pareceu uma boa saída de Passos, que recomendou aos deputados o cumprimento da sua tarefa, abstraindo-se de consequências, eventualmente negativas, de próximas eleições. O que ele disse é que as acções do governo e do grupo parlamentar, não podem estar condicionadas pelo agrado ou desagrado futuros, tem que se fazer o que se acho correcto, sem desvios.
Qualquer outra interpretação é forçada, é demagógica e só pode colher entre gente pouco atenta.

Isto nada tem a ver com apoio ou não ao governo, isto é a constatação de um facto. Andar às voltas com o palavreado não passa de uma tentativa de engano.

O PSD e Passos podem ser estúpidos, mas não tanto. Sabem perfeitamente o risco que tomaram ao formar governo, sem forçar o a inclusão do PS, como teria sido mais inteligente.
Pegar no governo, com os cofres vazios, uma comissão administrativa do empréstimo no poder. é garantia de maus resultados eleitorais , no futuro próximo.
Só um nescio não o sabe........
Re: Nada de novo
Re: Nada de novo
JLE
Diga-me qual o PM que este em funções que não afundasse mais o país?
Nenhum conseguiu equilibrar a balança da economia do país, mas a sua conta bancária essa nunca esteve melhor.
Não vale a pena acusar A ou B pois os métodos podem ser diferentes mas o fim é sempre o mesmo, o povo a pagar a sua bela vida luxuosa.
Esta democracia foi criada para interesses particulares e partidários e o sentido de estado esquecido.
'lixa-te para as eleições, mas não lixes os outros
Uma boa crónica, uma boa análise, penso. Lembra o que já devia ser óbvio há muito tempo: o "político que se lixa para as eleições" é uma tática eleitoral que tem dado frutos em Portugal logo, como é que pode ser considerado uma prova da exceção de Passos se todos o fizeram?

Nos últimos tempos, tenho criticado com alguma dureza estas expressões: eu respeitaria Passos Coelho muito mais se ele, que é todo sermões, tivesse feito pedagogia e defendesse as eleições como exames que são e com que se importa... em vez de se declarar como se lixando para eles. Isto é tanto mais irónico quando o executivo está a reabilitar o paradigma dos exames na escola pública: servem para esta, não servem para a governação? Tudo o que tinha que dizer era, "Nós preocupamos-nos com as eleições, mas é procedendo como estamos a proceder que as vamos ganhar".

Era tudo o que tinha que dizer!

Logo, porque não o disse? Para além do seu argumento convincente de desmarcação em relação às autárquicas, acho que aqui, Paulo Gaião antecipou-se: "que se lixem os autarcas Laranjas". O discurso de PPC que li, foi duro para com estes e uma reação aos mesmos. Mas mesmo aqui, ele podia ser mais positivo.

Só me resta a primeira coisa que disse: PPC está cansado, e emotivo por isso. Isso é bom. A minha (má) impressão do tipo de discurso de Passos, é que ele é excessivamente ensaiado. Se me diz que aqui ele não o foi... qualquer brecha no calculismo implícito dos ensaios, é bem vindo.
adormeci no 1.º parágrafo
As estórias são as mesmas, mudam os personagens...
Pena que o PM não tenha pensado em substituir o Relvas cá pelo nosso ilustre comentador, já que ele é, efetivamente, muito fluente em inventar cenários...depois como é novo e cheio de genica, dava, p certo, um "grande" ministro adjunto....
PS.: ah, e a culpa é do Relvas!
a nossa "lixadela"
A nossa "lixadela" e o nosso azar é ter de ler estes disparates escritos por estrangeiros, injustamente com identificação portuguesa!
Temos vichyssoise ao jantar!
Depois da ementa do jantar que até meteu vichyssoise, tão ao gosto de alguém ali tão próximo, o repasto terminou com um café e um bagaço para aquecer.À saída, lá estava a inevitável com. social. Em conversa com o PM, alguém perguntou-lhe: Então sr.dr. o senhior nunca teve divergências com o seu "doer", que dizem ser o seu delfim, face ao que se diz por aí, à boca cheia acerca do diploma? Não, nunca tive respondeu. Mas...então porquê? Bem, sabe, ele segue o seu caminho e eu sigo o dele, vai tudo bem.E, como nós nos estamos lixando para com os eleitores e que o alarido possa alterar a decisão dos eleitores, pois como sabe a memória do povo é curta, e portanto eu e o meu "doer" seguimos na mesma direcção. Mas...... sabe qual é a expressão k os ingleses usam para defenirem o que é para eles um "doer" ? Não, mas diga-me lá, que eu quero saber. Eles dizem: To be a great talker, but a litlle doer , que traduzindo quer dizer: "Ter muita parra e pouca uva "... ( prometer muito e não fazer nada ) Bem estou-me lixando para isso.... E assim ficou a conversa a meio porque entretanto, houve outra interferências.. k se intrometeram na conversa que estava tendo lugar......Aguardam-se novos episódios.....
Venenosos
Lemos, deixa os venenosos destilar. Continua porque es um dos necessarios antidutos que vao seguramente acabar com estes quem nos quer impor o sofrimento!
PPC fala demais!
Passos Coelho fala demais, aparece na TV demasiadas vezes, passeia demais. Não há dia que não vá fazer uma visita, uma inauguração de qualquer coisa, e não bote discurso o faça declarações. Cale-se homem, trabalhe, governe, tome decisões que não sejam mais troikistas que a troika, trabalhe para o desenvolvimento económico de Portugal e não para o seu afundamento.
Muito vago
Caro João Esteves, apesar de alguma razão no que escreve, julgo ser também verdade o que alguns comentadores refletem, que é o pouco conteúdo transcrito.
Contudo, como o referiu e bem, este comentário teve uma intenção politica, na sua forma e no que quis passar, infelizmente ou felizmente, desmontou o real teatro até hoje encenado.
No que se refere ao falar com o coração, já não posso concordar, sendo que por de trás de um primeiro-ministro está um abrangente sociedade de “estudiosos” que lhe impõem comunicados e preparam tudo com bastante cuidado e rigor, que nem sempre é o que queremos ouvir, ou o que devemos ouvir.
A realidade é que foi bastante infeliz no que proclamou, de todo.
Assim sendo resta-lhe, como em tudo na vida, reconhecer o erro e adiar o derrube.
O que lhe falta é Jejum Mental!
A liderança é um facto natural... ocorre inevitavelmente por toda parte... Qualquer bando de pássaros tem um líder. Macacos, formigas, abelhas, todos os animais sociais tem seus líderes...

Governar significa liderar ... dar um rumo...

O líder que se torna invisível mostra deste modo sua fraqueza e imaturidade... Falta manter sempre clara a meta comum e estimular em função do objetivo de todos... Mas quando a liderança pretende controlar e manipular a vida dos outros tropeçará cedo ou tarde na sua própria frustração...Para alguns, a manipulação e a busca do poder ou da fama funcionam como mecanismo de fuga do factores centrais ...de que não conhecem ou não aceitam a si mesmos...
Os jogos e manipulações que giram em torno da vaidade... basta de malabarismos verbais ... porque ou entra mosca ou sai asneira!

Eis o meu retrato o PM devia por a consciência a trabalhar !
Comentários 15 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub