33
Anterior
Freeport: o grau zero da Justiça (II)
Seguinte
"Magalhães", uma pequena desgraça
Página Inicial   >  Blogues  >  A Tempo e a Desmodo  >  Paquetes? Ok. Mas e os passeios?

Paquetes? Ok. Mas e os passeios?

Lisboa vai ter um novo cais para os paquetes. Óptimo. Mas só uma pergunta: antes das mega-obras, Lisboa não podia tratar das coisas pequenas como os passeios e o lixo?

I. Neste momento, desembarcar em Lisboa é o mesmo que ver contentores, tapumes e cais cheios de contentores. Segundo alguns, é uma visão pouco turística. Neste sentido, a Administração do Porto de Lisboa decidiu reverter esta situação: Lisboa, a partir de 2013, vai acolher os visitantes dos luxuosos paquetes num novo cais, junto ao Jardim do Tabaco, que junta arquitectura de topo e espaços verdes.

II. Não tenho nada contra esta obra. Aliás, acho que já vem tarde. O turismo deveria ser sempre uma das nossas principais apostas, e é quase certo que o dinheiro nele investido tem retorno. Porém, deixo aqui um desafio: prolonguemos o passeio destes turistas recém-chegados. Vamos lá imaginar o 'bife', cheio de dinheiro, que chega ao novo cais: ficará, com certeza, encantado ao início, perante o tal cais super-moderno; mas depois ficará desiludido à medida que for entrando no interior da cidade real. É que essa nova porta de entrada perfeita não encaixa (não encaixará) na cidade real, cheia de lixo e com a calçada em permanente caos.

III. É este o meu ponto: não faz sentido investir em novas macro-estruturas, e em projectos milionários, quando não se cumprem os mínimos. Quando chega às ruas da cidade, o turista avisado deve olhar para o chão: se noutras paragens a beleza está em cima, em Lisboa o perigo espreita de baixo. A famosa calçada portuguesa é uma ameaça para as pernas que não calcem sapatos todo-o-terreno: torta, com pedras falhas e oleosas, a calçada parece ser uma metáfora da relação de ódio que existe entre os portugueses e Portugal. A beleza que nela poderia existir esvai-se no desmazelo com que é tratada pelas autoridades autárquicas. E a questão é relativamente simples: ou é devidamente cuidada, com os custos que tal implica, ou então não vale a pena.

IV. E o lixo? O que dizer do lixo? Para quê ter um mega cais super-perfeito, quando temos uma cidade sempre suja de papéis, plásticos e porcaria de cão? Meus amigos, o turista não é otário, e não se deixa enganar por mega-obras para inglês ver. Antes de entrarmos nos mega-projectos, temos de limpar a cidade. É mais barato, e garante mais turistas. Em 2013, quando regressarem a casa, qual será a primeira coisa que os 'bifes' dirão aos amigos? "Ah, Lisboa tem um belo cais" ou "Lisboa é uma cidade suja e mal tratada"?


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 33 Comentar
ordenar por:
mais votados
civismo
Quanto ao comentário estou de acordo excepto no lixo, o LIXO vai da educação das pessoas que tiram o papel do gelado e atiram para o chão, fumam e a beata vai para o chão, abrem a janela do carro e sai a casca da banana ou o papel que assou o nariz.( e então nas praias nem se fala com o caixote do lixo mesmo ao lado lá fica o saco do continente ou pingo doce na areia) ..O QUE FALTA AO TUGA É CIVISMO, FORMAçÃO E METER NA CABEçA QUE NÃO TEM SÓ DIREITOS TBM TEM DEVERES (que como não adquiriram quando eram pequenos tbm não podem transmitir aos filhos);
Re: civismo
Re: civismo
Vergonha (minha) na Suiça..
Re: Vergonha (minha) na Suiça..
Re: Vergonha (minha) na Suiça..
Re: Vergonha (minha) na Suiça..
Re: Vergonha (minha) na Suiça..
Re: Vergonha (minha) na Suiça..
Re: Vergonha (minha) na Suiça..
Re: Vergonha (minha) na Suiça..
Re: Vergonha (minha) na Suiça..
Re: Vergonha (minha) na Suiça..
Lisboa será sempre Lisboa
Limpar a cidade : Foi uma prioridade da candidatura do actual Presidente António Costa.
Parece ,afinal, que não cumpriu a promessa e Lisboa,hoje, não está asseada, urbana e acolhedora.
E isso é mau,porque Lisboa é a capital do País, a porta de entrada e devia ser o nosso lº cartão de visita.
António Costa é mais politico-partidário do que autarca: é talvez aí que resida a explicação para não dar a volta aps graves problemas e dependências que a sua Cãmara enfrenta.
A continuar assim , quem perde são os seus habitantes e o próprio País-que precisava ter, na sua capital, o rosto da modernidade e de atração por essa importante área económica que é o Turismo.
Mas Lisboa é e será sempre Lisboa: no encanto do seu nome,na nostalgia do seu Rio, na afabilidade da sua gente e nos cravos do seu Povo.
Re: Lisboa será sempre Lisboa
Lisboa será sempre Lisboa e um porto de abrigo
Re: Lisboa será sempre Lisboa e um porto de abrigo
Re: Lisboa será sempre Lisboa e um porto de abrigo
HR
Com isto está bem patente que o governo aposta na modernidade? Dar algum conforto aos turistas com as vistas dos contentores, os passeios a convidar os saltos altos, o lixo? Será algum tipo de arte nova? Considerar isto uma medida inovadora e cívica enquanto ao povo se retira a mínima dignidade de viver com as dificuldades da dita crise?
Mas é o socialismo moderno, quanto mais lixo melhor para não se notar muito a diferença
Bem observado, Raposo!
Ando há anos a defender que a calçada portuguesa só devia existir numa zona restrita da cidade, porque a sua manutenção é caríssima, os intervenientes nas diversas obras nunca a deixam bem aplicada e partem-se muitas pernas à conta dessa calçada.

Por outro lado as máquinas de limpar não se adaptam bem à irregularidade da calçada.

Em relação ao novo cais, acho muito boa ideia, porque os paquetes iam para Santa Apolónia e depois os turistas ficavam por ali sem saber o que fazer.

Ainda propus o prolongamento das linhas de elétricos a Santa Apolónia, mas houve sempre uma má vontade da CML em lançar essa obra porque dizia que havia o metro.Ora a linha de metro chega à Baixa e vai na direção do Marquês, deixando os pontos turísticos como Belém de lado. Por isso fazia todo o sentido que o terminal da linha E15 fosse em Santa Apolónia.

Sendo feito o tal cais no Jardim do Tabaco, os turistas passam a entrar na rede de transportes diretamente e utilizam o ex-libris de Lisboa que são os seus elétricos.
Os passeios?
.. os passeios, meu caro Raposo, são para estacionamento selvagem de merdalóides (eu explico: seres humanóides com mherda nos miolos) que assim se apanham com a "carta" de condução na mão, borrifam-se para o Código da Estrada e assentam arraiais, com as suas latas - orgulho de todo o tuga que se preza, além do inevitável telélé topo de gama na mão -, em tudo que é passeio, passadeira para peões, paragens de transportes públicos, em frente às portas dos prédios, etc., fazendo as pessoas circularem, com risco de vida, pela estrada. E pessoas considere, neste caso, idosos, crianças, mães com crianças ao colo ou em cadeirinhas, pessoas com dificuldades de locomoção, etc. E tudo isto com a benevolência e cumplicidade da polícia que nada faz para repor a LEGALIDADE dado que toda a lei deve ser para se cumprir ou então deitem-nas para o caixote! Por isso, meu caro, os passeios (com ou sem calçada portuguesa), não passam actualmente de meros locais de estacionamento selvagem. O sr. Costa bem prometeu TOLERÂNCIA ZERO, penso que há mais de 2 anos, ao estacionamento selvagem mas políticos, todos eles, são assim: ALDRABÕES!
Re: Os passeios?
Re: Os passeios?
E ele a dar-lhe
Lá está o Henrique Raposo a pensar pequenino.
Se as nossas elites ao longo dos 870 anos da nossa história pensassem assim, não teriamos Jerónimos, Torre de Belém nem Convento de Mafra. E até mesmo o aqueduto das Águas Livres teve de ser feito antes de haver torneiras em todas as casas.
Além disso os turistas ingleses que querem ver cidades limpas vão para a Suiça ou para a Áustria, não vêm para Portugal.
Deixe as mentes brilhantes que nos governam dar ao povo aquilo que ele merece e aos amigos os contratos que eles precisam.
Re: E ele a dar-lhe
HR ligou o complicador
Que eu saiba o lixo de Lisboa não é mais nem menos prejudicial para os cruzeiros que para qualquer outra forma de turismo. Não entendo por que motivo o investimento num terminal de cruzeiros deixaria de fazer sentido por haver lixo nos passeios de Lisboa.
A questão é tão simples como isto:
Lisboa necessita fomentar o turismo e os cruzeiros são um sector com grande potencial onde temos muito por fazer.
Lisboa necessita fomentar maior limpeza das suas ruas por todos os motivos e mais um, cruzeiros incluidos. Há que investir na educação dos cidadões e dotar a cidade com os recursos adequados para manter a cidade limpa.
E o que dizer...
... dos passeios (ou da sua inexistência) das localidades nos arrredores da capital e por esse país fora.

Transeuntes arriscam literalmente a vida a circular nesses "caminhos" improvisados que se mantêm por longos anos.
Circular de automóvel nesses locais é uma autêntica aventura.

É a velha desorganização à portuguesa.
Constroem-se auto-estradas, fogos habitacionais que nascem como cogumelos, mas não se acautelam as infra-estruturas necessárias à qualidade de vida dos cidadãos.
Menina ou Galderia?
Queriam os srs o ha de mais moderno,directamente da Tailandia!!Lamenta-se,e repetindo-me,que a famosa praia de Madrid afinals o que precisa e de lavar a cara.E eu ressabiado com abcesso habitual e vilao de projectos e coisas estruturantes recheada de guita privada e da outra k as crianças nao comem.mas que os pais arrotam todos po dito bolo.
      Os srs,a quem devo perguntar pela cidadania e movimentos sociais ,politicos ou nao, que deviam ser o petroleo de tamanha metropole.Alistem-se.mas façam tropa em Serpa ou no Intendente com a proletaria
  bandeira socialista operaria de bordo.Sim,de bordo como persiste nas aguas da ruina depois de Quinze anos pela borda fora. So falta alguem s travestir de Sa Fernandes,essa estatua de liberdade ,a vender votos aos vereadores turistas que ai virao ha procura de torresmos..
   
LISBOA ? E O RESTANTE PAÍS ?
Caro Colunista

Li com uma certa atenção o que escreveu; aceito e acho que em muitas coisas tem Razão mas será que viu atentamente o que se pasa á sua Volta?
Aceito tudo aquilo que seja essencial para que a qualidade de Vida seja uma Realidade mas NUNCA ACEITAREI fazermos Obras Gastando dinhero que pertence ao Povo Português, beneficiando um certo "VISUAL" para Agradar a Turistas.
Apoio todas as Iniciativas para melhorar as coisas mas INICIALMENTE devemos fazer com que a População deste nosso País tenha condições de habitabilidade condignas.
NÃO VIVAMOS EXCLUSIVAMENTE PARA O EXTERIOR E NÃO PTRETENDAMOS APARENTAR AQUILO QUE NÃO SOMOS. Sabe quantas habitações em Portugal ainda não possuem Quartos de Banho? E como podemos gastar Verbas quando as Condições mínimas de Higiene ainda não estão cumpridas neste nosso Cantinho?
Isto, Claro não falando já que para os que estão habituados a pouco ou nada fazer redicaram-se em Lisboa, auferindo Subsídios, Habitações Sociais e mais Benefícios mas se apurarmos a verdade, aquilo que possuem no interior, podemos considerar que são "Abastados".
É verdade que Lisboa será sempre Lisboa mas nos Tempos de Crise (Algumas Bem Recentes) O Norte Albergou os Lisboetas. Não tenham memória Curta mas sim pensamentos Abertos.
Gostaria sim que possuissemos um País Português de Portugal mas ao contrário do meu desejo vejo que temos um Portugal que é de tudo e todos sem ser NOSSO O QUE LAMENTO.

Cumprimentos a todos

Horizonte e Mar
O cocô do cão cabe aos donos limpá-lo...
com um saquinho.

Portanto não acredito que mesmo que tivéssemos na administração de uma cidade, a gente mais competente e idónea possível, se os seus habitantes não têm o mínimo de civismo, a cidade continuaria suja...
Finalmente!
Por fim, uma crónica do Sr. Raposo que vale a pena ler e que tem sentido...livre de facciosismos fervorosos e ideias pré-formadas que só destilam ódio (como a campanha anti-Sócrates).

Parabéns por isso, espero surpreender-me mais vezes!

Cmpts.
Resumindo...
O artigo oportuno e os comentários que motivou, algo me diz que, o nosso país só poderá progredir, quando todos nos convencermos de que só começando pelo princípio é que poderemos ir a algum lado.
E este princípio será sempre, tanto ontem, como hoje e amanhã, a educação cívica e cultural do nosso povo.

Porque se fôssemos um povo culto e educado, consentiríamos ter a classe política que nos (des) governa?

Se soubéssemos escolher com discernimento e competência os nossos governantes, algum deles se daria ao desfrute de nos arrostar com tantas anomalias e indisfarçáveis iniquidades?

Às vezes custa-me ser tão cáustico, sobre estes temas!
Mas quando HR menciona "obras megalómanas", como é que acha que se alimentam as boas amizades partidárias, se não concedendo às grandes empresas de construção, as ditas obras, que em via de regra saiem sempre muito mais dispendiosas, do que os valores inicialmente contratados?

  Milagres da tecnologia...
VOCE....
QUIZ DIZER PASSEIOS,OU PASSAGEIROS,PARECE-ME QUE TALVEZ SE REFERISSE AOS PROVAVEIS UTILIZADORES DESSES MESMOS,JA QUE PASSEIOS E O MAIS FACIL DE RESOLVER,NAO SERA.
Comentários 33 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub