Siga-nos

Perfil

Expresso

  • Concentração “contra o fascismo” faz jogada de antecipação a ‘manif’ da extrema-direita

    Política

    Paulo Paixão e Hugo Franco

    O cancelamento da conferência de Jaime Nogueira Pinto tem esta terça-feira uma sequela: ao protesto do PNR em Lisboa, na Avenida de Berna, frente à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), às 18h, respondem antigos e atuais estudante professores/investigadores com uma concentração, duas horas antes, no átrio da faculdade. Haverá “reforço policial” nas imediações

  • Concentração “contra o fascismo” faz jogada de antecipação a ‘manif’ da extrema-direita

    Diário

    Paulo Paixão e Hugo Franco

    O cancelamento da conferência de Jaime Nogueira Pinto tem nesta terça-feira uma sequela: ao protesto do PNR em Lisboa, na Avenida de Berna, frente à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), às 18h00, respondem antigos e atuais estudante professores/investigadores com uma concentração, duas horas antes, no átrio da faculdade. Haverá “reforço policial” nas imediações

  • Antes pelo contrário

    Daniel Oliveira

    É verdade que os rapazes da Nova Portugalidade só lutam pela liberdade de expressão se for a sua – o seu principal dirigente partilha no facebook uma foto tirada em Santa Comba Dão, em que se ajoelha perante uma lápide “para honrar o professor Oliveira Salazar”. Mas nem por isso têm menos direito à palavra do que qualquer outro estudante. É verdade que a direção da FCSH se disponibilizou para organizar outro evento com o mesmo tema e incluindo Nogueira Pinto. Mas não me parece que caiba ao diretor limitar o direito à dissertação solitária do conhecido historiador. E é verdade que a Associação 25 de abril ofereceu o seu espaço a sessão, mostrando aos salazaristas o que a distingue deles. Mas isso não apaga o erro dos estudantes. Nunca vi Nogueira Pinto associado a qualquer grupo violento ou que promovesse qualquer ato inconstitucional. Pelo contrário, respeita todas as regras democráticas de pluralismo e debate sempre com civilidade os seus (nada recomendáveis) pontos de vista. Os jovens da FCSH não só aguentariam ouvi-lo com ganhariam muito em discutir com ele. Quando estudantes pouco familiarizados com as regras democráticas o tentam calar e o tratam como se trataria um criminoso não combatem os inimigos da democracia. Apenas os tornam mais respeitáveis