Siga-nos

Perfil

Expresso

  • As visões que o Estado Novo silenciou

    Multimédia Expresso

    Carlos Alberto diz que viu Nossa Senhora nove vezes. O caso encheu as primeiras páginas de muitos jornais nacionais. O vidente tinha 11 anos, foi observado por psiquiatras, esteve na casa do diretor da cadeia de Alcoentre e foi inquirido por autoridades civis e religiosas. A censura proibiu a circulação de um livro que relata o sucedido e a PIDE abriu um processo, pouco depois de Portugal ter perdido um enclave do império colonial na então Índia portuguesa. A primeira visão foi a 16 de maio de 1954. Para assinalar os 64 anos desta visão, o Expresso republica esta reportagem multimédia sobre um culto que está vivo e todos os meses leva uma romaria de crentes à Asseiceira

  • A história do dia que em 48 anos só foi feriado duas vezes

    Política

    Manuela Goucha Soares

    Um dos mais célebres discursos doutrinários do salazarismo - “Não discutimos Deus e a virtude; não discutimos a Família e a sua moral...” - foi proferido num feriado ocasional, a 28 de maio. A ditadura do Estado Novo durou meio século, mas teve uma relação ambígua com o dia em que nasceu, em parte por razões economicistas, em parte porque o 28 de maio não celebrava a chegada de Salazar ao poder

  • As visões que o Estado Novo silenciou

    Multimédia Expresso

    Carlos Alberto diz que viu Nossa Senhora nove vezes. O caso encheu as primeiras páginas de muitos jornais nacionais em 1954. O vidente tinha 11 anos, foi observado por psiquiatras, esteve na casa do diretor da cadeia de Alcoentre e foi inquirido por autoridades civis e religiosas. A censura proibiu a circulação de um livro que relata o sucedido e a PIDE abriu um processo, pouco depois de Portugal ter perdido um enclave do império colonial na então Índia portuguesa. O culto continua, 63 anos depois

  • O que a história dos jornais portugueses nos ensina sobre políticos que assustaram o mundo

    Sociedade

    Manuela Goucha Soares

    Há quem diga que é obviamente exagerado e há quem defenda que é particularmente adequado estabelecer comparações entre algum do pensamento de Trump e o raciocínio de ditadores do passado. Num tempo de fraturas na sociedade, de fake news, de propagação aceleradíssima dos factos noticiosos e de grande preocupação com o que vem dos EUA, viajamos no tempo e mostramos como é que no passado os jornais portugueses acompanharam a ascensão política de personalidades que acabaram por se tornar protagonistas de ditaduras. São lições da História para percebermos as inúmeras diferenças e algumas semelhanças entre o que se passa agora e o que ocorreu no início do século XX

  • O escritor sem medo

    Sociedade

    José Pedro Castanheira

    Meio século depois de ter sido assassinado por uma brigada da PIDE, vai ser lançado um romance inédito de Humberto Delgado, escrito nos anos de exílio. O original estava no espólio da secretária, a brasileira Arajaryr Campos, morta juntamente com o general