6
Anterior
Quais serão as maiores economias do Mundo daqui a cinco anos?
Seguinte
Índice Gaspar: a metodologia
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues Economia  >  Utilidade marginal  >   Os portugueses estarão extintos em 2204?

Os portugueses estarão extintos em 2204?

|

O título é, deliberadamente, provocatório e exagerado. O objetivo é chamar a atenção para um problema sério que ameaça Portugal. A população portuguesa já diminuiu em 2010 e 2011 e tudo indica que a tendência é para continuar. Nos últimos dois anos, entre o saldo natural negativo (diferença entre nascimentos e mortes) e o saldo migratório (balanço entre emigração e imigração) também negativo, Portugal perdeu 85 mil pessoas.

Desde o início dos anos 90 que a população portuguesa não diminuia. O saldo natural tinha tido já um ano negativo - em 2007 - mas tinha sido compensado pelas migrações. A partir de 2010 as coisas mudaram completamente e, o pior, é que isto não vai ficar por aqui. As más notícias na frente de demográfica sucedem-se, quer em termos de natalidade, quer nos movimentos migratórios.

As últimas estimativas disponíveis, a partir do número de crianças a fazer o chamado teste do pezinho, apontam para uma nova quebra dos nascimentos este ano. No ano passado, foram 97 mil, o valor mais baixo em décadas, e este ano poderão ser apenas 89 mil.

Enquanto isto, as mortes têm-se mantido sempre acima das 100 mil por ano: 104 mil, em média, desde 2007. O que tem ajudado a agravar o saldo natural que no ano passado foi de -6000 pessoas e este ano, a confirmar-se a previsão de nascimentos e a manter-se a mortalidade média dos últimos anos, poderá duplicar. 

Ao mesmo tempo, as migrações deixaram de ajudar. Muitos estrangeiros que viviam em Portugal começaram a regressar aos seus países e os portugueses, por pressão da crise e do desemprego, começaram a sair para o exterior num ritmo que não se via há muitas décadas.

A taxa de desemprego é o melhor indicador para medir a capacidade de atração de uma economia. Durante quase vinte anos, até 2010, a economia portuguesa teve saldos migratórios positivos. Correspondeu a um período em que o desemprego diminuiu até ao mínimo de 4% em 2000. Os últimos saldos negativos tinham sido nos anos 80, o que coincidiu com a intervenção do Fundo Monetário Internacional (FMI) e com um desemprego que chegou a ultrapassar 10% (1984).

A 'fuga' de portugueses para o exterior não tem apenas efeitos diretos na população através do saldo migratório. Como se tratam, em média, de pessoas mais novas do que as que ficam, a sua saída tende também a diminuir a natalidade do país. Já não falando, claro, do facto de muitas destas pessoas serem qualificadas - engenheiros, por exemplo, que estudaram nas melhores escolas portuguesas e vão ser 'oferecidos' à Alemanha ou a Bélgica.

Uma população que está a definhar é uma péssima notícia para qualquer economia. Em primeiro lugar, porque tende para zero e se nada for feito há um momento no futuro em que desaparece. A data de 2204 é apenas um exercício simples que resulta da repetição do saldo populacional negativo que se espera para este ano tendo em conta as estimativas de nascimentos, a manutenção das mortes e a repetição do saldo migratório médio dos últimos dois anos. Ou seja, é o ano em que a população acaba se mantiver esta trajetória perigosa de perder cerca de 55 mil pessoas por ano. Não inclui os portugueses que vivem fora do país.

Depois, em segundo lugar, porque a quebra na natalidade e maior emigração envelhecem ainda mais uma população já envelhecida com todas as consequências que isso tem em termos de segurança social, contas públicas ou produtividade e crescimento económico.

Infelizmente, esta ameaça seríssima que Portugal enfrenta não tem sido olhada com a devida atenção por parte dos responsáveis políticos. E não se trata de um problema criado com o programa da troika. É uma tendência que já se observa há algum tempo e que tende a agravar-se e a auto-alimentar-se. Um país sem pessoas é um deserto e, já se sabe, com pequeníssimas exceções, ninguém gosta de viver no deserto.    


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 6 Comentar
ordenar por:
mais votados
'Os portugueses estarão extintos em 2204?
Não obstante compreender que o fazia para realçar o problema, arrepiei-me quando vi a data ser conseguida com um raciocínio tão simplista. "Uma sucessão aritmética?", pensei, "tem que ser geométrica no mínimo", e logo, Portugal nunca perderia a sua população nessa data.

E depois caí na real. Pelo menos por uns tempos pode muito bem até ser pior. A população envelhecida não foge, e logo posso assumir que a mortalidade desta se manterá constante... ao contrário da natalidade que cairá com a população jovem em fuga. A perda de população pode até acelerar.

Nada que não tenha dito, e serve bem para mostrar o terreno perigoso que é, onde reflexões adicionais não levantam facilmente a esperança.

É óbvio que Portugal nunca irá perder toda a sua população, e para mais, sou daquelas pessoas que acredita que estaríamos melhor com menos gente no mundo. Mas existe uma grande diferença entre uma ocupação sustentável e o deserto. Acresce as seguintes considerações:

1. A perda de gente faz-se pelas mesmas razões pelas quais o Interior se desertificou alimentando o litoral, mas desta vez com um país inteiro a desertificar-se em favor de outros. Não augura nada de bom que não tenhamos encontrado o nosso equilíbrio entre o interior e as cidades, porque estas serão as próximas vítimas.

2. A maior ameaça a Portugal é que o decréscimo de população traga consigo um PIB decrescente, incapaz de rentabilizar os investimentos e logo, a dívida devido a estes.
Excelente Artigo
Os meus parabéns João Silvestre. A questão demográfica é um problema sério e cujas soluções demoram décadas a surtirem efeito.

Existem outros efeitos que não foram aqui falados que também poderão ser importantes, e de efeito contrário, tais como as remessas de emigrantes, o conhecimento acumulado pelos portugueses fora e a abertura de novos mercados às empresas portuguesas criadas precisamente por esses portugueses emigrantes. Escrevi sobre o assunto recentemente, para quem estiver interessado:

oreivaivestido.blogspot.pt/2012/04/vaga-de-emigracao.html

Os melhores cumprimentos,

António
Afirmam os estudiosos que,
dentre os tantos motivos para a queda do Império Romano, foi realmente o saldo negativo de nascimentos e o envelhecimento da população e, de tal modo, que o exército era geralmente composto de "estrangeiros" e as fronteiras guarnecidas precariamente por futuros invasores. É lamentável a situação de Portugal, neste pormenor. No Japão, que está na mesma situação, o governo implementa, por meio das prefeituras, atrativos para o casamento e para a concepção. Aluguéis subsidiados, festa de casamento, emprego preferencial para jovens casados, prêmios por filhos gerados, acesso a boas creches e escolas etc. E, mesmo assim, o crescimento tem sido pífio. O Japão, como o antigo Império Romano, depende dos estrangeiros para movimentar sua economia, principalmente nos postos das linhas de montagens de carros, eletro-eletrônicos e similares. E o agravante é que não é todo o estrangeiro que é bem acolhido, como acontecia com os chineses, sempre considerados de terceira, mesmo quando eram bons como empregados. Também não ajuda muito a forma de contratação desses estrangeiros, que é feito por um sistema terceirizado, de milhares de pequenas empresas, geralmente controladas pela máfia local, sem quaisquer garantias para o trabalhador, que pode ser despedido sem qualquer ônus para o empregador ou para o empreiteiro. E, o passaporte, em geral fica retido (algo ilegal). A passagem de ida deve ser paga integralmente. Rio Grande
Boas noticias para Portugal
Quando o Povo Portugues é caracterizado por esta brilhante descrição:
"Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas..."
 
Guerra Junqueiro, escrito em 1886

Se se extinguir um Povo desta natureza, é um benefício para a humanidade ...
Re: Boas noticias para Portugal
não os portugueses não estarão extintos em 2204!
Não, não, não os portugueses não estarão extintos em 2204! Em em 2024 os todos os portugueses já foram entregues aos credores como pagamento das dívidas contraídas pelos incompetemtes e irresponsáveis governantes!

Comentários 6 Comentar

Últimas


Pub