10
Anterior
As paredes também foram uma arma
Seguinte
38 anos a respirar democracia
Página Inicial   >  Multimédia  >  Fotogalerias  >   Os conselhos do "homem mais feliz do mundo"

Os conselhos do "homem mais feliz do mundo"

Matthieu Ricard trocou uma carreira científica de topo por uma vida de espiritualidade, meditação e ajuda humanitária nos Himalaias. Quarenta anos depois, o seu cérebro foi alvo de estudo e é considerado o homem mais feliz do mundo. Fomos descobrir o seu segredo.
|
Matthieu Ricard foi a grande atracção do II Congresso Internacional da Felicidade, em Madrid
Matthieu Ricard foi a grande atracção do II Congresso Internacional da Felicidade, em Madrid / Nuno Botelho

Filho do filósofo francês Jean-François Revel, Matthieu Ricard cresceu entre a nata da nata dos intelectuais da Paris, como Stravinsky e Cartier-Breson. Doutorou-se em biologia molecular e trabalhou com um nobel da Medicina. Mas, aos 26 anos, percebeu que isto não era suficiente. Que os génios que o rodeavam podiam ter cérebros iluminados, mas isso não aumentava as suas qualidades humanas.

Trocou então a ciência pela espiritualidade e rumou aos Himalaias. Estudou com alguns dos maiores guias do budismo e hoje é tradutor e braço direito de Dalai Lama. Pelo meio arranja ainda tempo para fotografar, escrever livros e com isso angariar dinheiro para o projeto humanitário Karuna Shechen, que ajuda mais de 90 mil pessoas (clique aqui para saber como pode colaborar).

Agora, com 65 anos e mais de 10 mil horas de meditação, voltou à ciência como objeto de estudo e foi monitorizado com 256 sensores colados na cabeça, que mediram a actividade do córtex pré-frontal do seu cérebro. A escala de felicidade, criada para a investigação da Universidade de Wisconsin e testada em centenas de outras pessoas, ia de um mínimo de felicidade, +0.3, ao máximo de -0.3. Matthieu Ricard atingiu -0.45. Em suma, em estado contemplativo, o monge conseguiu um equilíbrio entre emoções jamais visto, com um claro desvio para as positivas, como o entusiasmo e a alegria, que anulavam as negativas, como o medo e a ansiedade. Foi considerado o homem mais feliz do mundo.

Com traje budista, ténis desportivos e sorriso aberto, encontrámo-lo no II Congresso Internacional da Felicidade Coca-Cola, em Madrid.

Cinco perguntas a Matthieu Ricard:


 Foi considerado o homem mais feliz do mundo. Qual é o seu segredo?
(risos) Não, isso não é bem assim.Mas posso dar alguns conselhos sobre as pessoas em geral. Primeiro há que se reconhecer que quer ser feliz. Acima de tudo não devemos negligenciar as nossas emoções, o nosso interior. Egoísmo, arrogância, agressividade são tudo sentimentos que nos fazem sentir mal, que controlam as nossas mentes e impedem a nossa felicidade. Não são sentimentos que nos sejam impostos, nós somos os responsáveis por eles e toda a gente sabe o mal que nos fazem. A verdade é que nós podemos treinar a nossa mente. Não interessa o que se passa cá fora, o nosso controlo aí é muito limitado. Já lá dentro só depende de nós.

Temos de pôr de lado os prazeres mundanos para sermos felizes?
Não há mal nenhum no prazer. Mas o prazer não tem nada a ver com felicidade. Imagine por exemplo um banho quente. Se viermos gelados da rua e nos pusermos debaixo de água quente, sabe maravilhosamente. Mas se ficarmos lá 24 horas, é insuportável. Tal como a música alta. Um bocadinho é bom, 24 horas pode ser tortura. Aliás, é um dos métodos usados em Guantanamo. Viver apenas de prazer deixa-nos exaustos. A felicidade é uma forma de estar na vida, não é apenas uma sensação momentânea.

Durante décadas, muitos psicólogos defenderam que nos devemos focar mais no "eu". Já você tem uma visão totalmente contrária. Afinal quem tem razão?
Essa é uma visão muito estúpida. É óbvio que devemos pensar em nós próprios, mas não devemos passar o dia focados no "eu, eu, eu". Que forma mais aborrecida de viver! O individualismo e o egoísmo destroem a felicidade. Essa ideia de que primeiro vou tomar conta de mim e depois, se me sentir bem, é que me dedico aos outros, não funciona. É uma atitude em que todos têm a perder. Parte de treinar a mente está em amar os outros, preocuparmo-nos com os outros, dar aos outros e aí a felicidade será conjunta. Dar e receber é uma bola de neve. Mas atenção: preocuparmo-nos connosco, gostarmos de nós, é importante. Só não pode é ser feito de forma narcísica.

Estamos no meio de uma profunda crise económica. Ainda há pouco tempo um homem suicidou-se em frente ao Parlamento grego por causa da falta de dinheiro. Nestas condições, como é que podemos ser felizes?
Se ligarmos a felicidade exclusivamente ao dinheiro nunca conseguiremos. Há muitas coisas supérfluas nas nossas vidas. Coisas de que não precisamos. Passamos a vida a tentar ter essas coisas materiais e se não as temos sentimo-nos miseráveis. Mas realmente precisamos delas? De tanto luxo?

E quando se deixa de ter dinheiro para pagar as contas? Não é uma questão de luxo...
Viver de forma mais simples não significa que tenhamos de voltar a viver na floresta. Mas não podemos nós mudar o estilo de vida e viver com menos? Essenciais são a amizade, a paz, a sensação de ter o coração cheio, de que cada momento vale a pena ser vivido. Está mais do que estudado - e atenção que não falo de ensinamentos budistas - que quanto maior o nível de consumismo, menor é a felicidade que se alcança.

(Leia a entrevista completa na próxima edição da Revista do Expresso, nas bancas a partir de sábado, dia 28 de abril)

 




Opinião


Multimédia

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 10 Comentar
ordenar por:
mais votados
Um ser humano exemplar
Tenho por este homem a maior admiração e uma grande gratidão. Li (e reli) há muitos anos (15/16/17?) o livro q mais tarde foi traduzido com o título "O monge e o filósofo", constituido por conversas entre ele e o pai (J. François Revel, filósofo bastante conhecido -sobretudo "Nem Marx nem Jesus" - por quem não tinha nem tenho nenhuma consideração especial). Foi a partir dele q comecei a interessar-me pelo budismo e entendê-lo um pouco. Nada me admira q a medição da actividade do seu cortex pre-frontal permita qualifica-lo como imensamente feliz - isso mesmo é o q se poderia esperar. Trata-se de um ser humano de uma qualidade excecional e q desde os 26 anos se aperfeiçoa. Medo, ansiedade, raiva, tristeza, esses sentimentos não se alojam, não têm cabimento num ser q vive em unissono com tudo o q é vida e q pela meditação vai aprofundando sempre essa adesão q se traduz em felicidade. As palavras de M. Ricard valem porque os seus actos, em cada momento da vida, são conformes com elas.E a felicidade de Ricard é-me grata - faz-me sentir, também a mim (embora isso seja difícil de explicar ) só por isso, de certo modo, feliz porque sei (verdadeiramente sei) que a felicidade é possível e q a felicidade dos homens depende de pouco.
Penso que a felicidade é algo
bem pessoal. E poucos de nós tem acesso à verdadeira felicidade, que foge do padrão uniformizado da nossa cultura, em que sentir prazer é fazer sexo pela eternidade, nas compras para acalmar o estresse, na roupa da moda, no restaurante de determinado "chef", no acesso à internet e assim por diante. Sinto que ser feliz, em alguns momentos, é estar certo e de acordo consigo mesmo, ainda que os outros pensem o contrário. Talvez ser feliz é estar sereno dos objetivos, mesmo que ínfimos. É ser como sou, não querendo ser como o outro, ou em razão de agradar e ser admitido a determinado círculo. Nas coisas simples ou nas complexas, a mesma admiração pelo conhecimento, pela sabedoria, pelo novo. Rio Grande
Os conselhos do "homem mais feliz do mundo"
Só para que conste, reproduzo duas respostas dele:

P - Estamos no meio de uma profunda crise económica. Ainda há pouco tempo um homem suicidou-se em frente ao Parlamento grego por causa da falta de dinheiro. Nestas condições, como é que podemos ser felizes?

R - Se ligarmos a felicidade exclusivamente ao dinheiro nunca conseguiremos. Há muitas coisas supérfluas nas nossas vidas. Coisas de que não precisamos. Passamos a vida a tentar ter essas coisas materiais e se não as temos sentimo-nos miseráveis. Mas realmente precisamos delas? De tanto luxo?
 
P - E quando se deixa de ter dinheiro para pagar as contas? Não é uma questão de luxo...

R - Viver de forma mais simples não significa que tenhamos de voltar a viver na floresta. Mas não podemos nós mudar o estilo de vida e viver com menos? Essenciais são a amizade, a paz, a sensação de ter o coração cheio, de que cada momento vale a pena ser vivido. Está mais do que estudado - e atenção que não falo de ensinamentos budistas - que quanto maior o nível de consumismo, menor é a felicidade que se alcança.

Re: Os conselhos do "homem mais feliz do mundo"
Eih!
O homem mais feliz do mundo?!!
Mas o meu cérebro não foi alvo de estudo!!!
Re: Os conselhos do
A psicologia auto destrói-se.
Admiro bastante o Monge e a sua forma de estar e pensar, repúdio e tenho pena de mais um "estudo científico" baseado numa "escala de felicidade" que só vem retirar, ainda mais, crédito à psicologia, pois estes parâmetros de avaliação são extremamente redutores e a medição de um sentimento e algo que não se pode equiparar nem qualitativa nem quantitativamente, pois existem uma infinidade de variáveis que é impossível controlar. Estes estudos valem o mesmo que os das revistas de sala de espera do dentista.
Re: A psicologia auto destrói-se.
Felicidade
Bom desculpem a minha sinceridade e sem querer ofender ninguém mas neste mundo actual para se ser feliz só há três hipóteses , ser acomodado, ser burro ou então abdicar de todos os confortos
Não podia estar mais de acordo ao ler...
... Como faz faz tão bem meditar sobre isto é o antídoto de tudo o que lemos e vemos ... onde se resume tudo ao dinheiro!...
A consciência da colectividade e da Universalidade ... de encontro ao outro.

Cultiva-se demasiado a Prosápia ... e a ilusão...o "Sono da Humanidade"... Não nos devemos prender muitas pelas abstracções .. O Homem precisa de orbitar em volta do problema à semelhança dos objectos espaciais que orbitam à volta da terra a uma distância exacta entre atracção gravitacional terrestre e a liberdade do espaço exterior ... dentro do problema monetário e com uma perspectiva mais clara das estrelas... os grandes ensinamentos de todas as épocas ... descrever círculos em volta da nossa «terra» com os olhos bem abertos e os instrumentos de observação bem sintonizados ... porque o dinheiro nas economias mundiais não é mais que um instrumento de poder, de ilusão ...

A felicidade reside toda na simplicidade de ser ......" o espírito é para ver o que é verdadeiro; os sentimentos são para compreender o que é bom"...
You can change the way you feel
Sou fã deste homem, desde há muitos anos quando estudei um pouco de nepalês por razões profissionais e por acréscimo me aprouve a maneira budista de viver.

Gostei de ler aqui como, mais uma vez, as respostas dadas por ele batem certo com os métodos apregoados pela psicologia clínica/psiquiatria ocidental para casos de extrema ansiedade, depressão, fobias, etc. Ver p/ex David M. Burns, MD, emérito psiquiatra americano, e cognitive behavioral therapy.

Imaginem este homem, "cientificamente" considerado (?) como o mais feliz do mundo, a comer o melhor pastel de nata do mundo. No que é que dá ? Nirvana !
Comentários 10 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub