Siga-nos

Perfil

Expresso

Levanta-te e dança

Só aquilo que amamos com o extremo do amor não nos será tirado
infinito que nos cabe viver é sempre um infinito ferido. E é bom que seja assim. As perguntas, “o que estou disposto a amar?”, “até que ponto me torno disponível para confiar?”, “como me disponho a abraçar a vida na sua abertura rasgada e na sua convulsão?” trazem tatuada uma interrogação que não vemos, na qual raramente pensamos, mas que acompanha tudo, mas mesmo tudo o que somos: “Por que coisas me sinto capaz de sofrer?”.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)