Siga-nos

Perfil

Expresso

Cartas ao pai

Tenho uma dívida enorme para com Paulo Faria. Ele traduziu duas vezes, sim duas vezes, um dos meus romances preferidos, “Meridiano de Sangue”, de Cormac McCarthy. E fez essa bizarria por cerimónia, que é uma palavra em desuso, mas que significa uma desassombrada consciência do que existir é. Ele explica-o no prefácio à segunda edição daquele romance (Relógio D’Água, 2010): “Tudo o que fazemos é (ou deve ser) uma cerimónia, caso contrário avilta-se.” Não conheço Paulo Faria, mas gosto dele por se sentir no que faz.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)