Siga-nos

Perfil

Expresso

Ricardo Costa

Ricardo Costa

Ricardo Costa

Diretor de Informação da SIC

Trump não é o princípio nem o fim do mundo. Mas é outra coisa

Como é que o ano de 2016 vai ser recordado? A poucos meses de acabar, é relativamente seguro dizer que o ano de 2016 será recordado por eleições e esse facto diz muito sobre o que estamos a viver

De um momento para outro, a guerra da Síria, a crise dos refugiados, as ondas de choque da crise das dívidas públicas e a fragilidade do sistema bancário ou mesmo coisas tão extraordinárias como os carros sem condutores ou a explosão da Inteligência Artificial, são afastados do pódio dos acontecimentos mundiais por… eleições. Sim, essa velha tradição das democracias, que se banalizou nas sociedades ocidentais ao ponto de grande parte das populações já nem sequer se dar ao trabalho de votar, está a mostrar a sua força de uma forma pouco previsível.

Quando olhamos para as últimas décadas, podemos elencar uma série de acontecimentos incríveis, desde descobertas científicas a mudanças geopolíticas, de várias revoluções tecnológicas a guerras sem fim, mas teremos dificuldade em escolher uma eleição como algo que tenha mudado o mundo. Talvez a vitória de Barack Obama seja a que se mais aproximou disso, com a eleição de um Presidente negro na maior potência mundial. Mas mesmo essa eleição assentava na categoria mais habitual, onde arrumamos os momentos em que os povos fazerem escolhas – à esquerda e à direita – que reforçam aquilo a que nos habituámos a chamar as “democracias liberais” e que se espalharam como norma na ordem mundial do pós-guerra.

Pois bem, o que esta madrugada nos mostrou – tal como o referendo do Brexit – é que os eleitorados estão dispostos a aproveitar as eleições como armas de sentido contrário, de protesto contra o sistema, contra a globalização, contra a abertura ao exterior, contra tudo o que vem de fora, contra imigrantes ou outros credos, juntando em movimentos ou ao redor de um candidato imensas multidões de descontentes e saudosos de tempos aparentemente mais prósperos. Nada disto é novo nas democracias ocidentais e sempre esteve presente em movimentos que, mais à esquerda ou mais à direita, corporizavam todos estes sentimentos. Mas 2016 marca a entrada em força desta tendência no centro eleitoral, apagando todas as fronteiras ideológicas e encurtando as distâncias entre os extremos. O que é o extremo no Brexit? O que é o extremo no eleitor médio de Donald Trump? Ou nos eleitores que se preparam para votar contra no referendo constitucional italiano? Provavelmente será o mesmo “extremo” que se juntará em torno de Marine Le Pen nas presidenciais francesas contra a fraqueza económica da França e o peso do Islão no país. Ou os que vão votar sem vergonha no primeiro partido alemão de extrema-direita com sucesso desde 1945 nas eleições do próximo ano.

Donald Trump é um produto do seu próprio sucesso, de uma auto-estima sem fim que soube cavalgar todas as contradições da democracia americana. Ganhou contra quase tudo e quase todos, numa corrida de obstáculos tão mentirosa quanto brilhante, tão contraditória quanto fulgurante, tão escandalosa quanto ousada. Disse uma coisa e o seu contrário, inventou, ofendeu, mentiu e prometeu o que nunca irá cumprir, derrubando todos os candidatos que teve pela frente. Hoje é óbvio que percebeu muito bem a sociedade americana, farta dos partidos, de Washington e de Wall Street, que sonha com um país mais fechado, com menos comércios mundial, menos imigrantes, mais virado para as suas coisas e para um tempo em que era “maior e melhor”. E com isso, quase destruiu o Partido Republicano, as suas elites e a sua máquina até os vergar aos seus pés para não deixar pedra sobre pedra. Será isso que vai fazer em Washington? É difícil responder a isso, mas será a maior ameaça às tradições democráticas americanas, a começar pela ameaça de mandar prender a sua adversária (coisa comum noutros países) e a acabar na expulsão em massa de imigrantes ou à revogação de tratados internacionais e à negação do aquecimento global.

Trump não é o fim nem o princípio desta tendência que põe em causa a ordem mundial estabelecida no pós-guerra. Ele demonstrou que a imprevisibilidade do Brexit não foi um acaso: muitas pessoas estão dispostas a votar no que não conhecem, apenas porque não gostam do que conhecem. Entre um presente de que não gostam e um futuro que não sabem o que pode ser, optam pelo segundo. Há vários fatores a contribuir para este movimento, a começar pela imensidão de gente que acha que os seus filhos vão ter uma vida pior que a sua até ao alheamento eleitoral dos mais jovens, mesmo em eleições muito importantes. Em simultâneo, os mais conservadores e/ou desiludidos estão dispostos a votar e a arriscar e os mais jovens, mais viajados e mais instruídos nem se dão trabalho de votar. No Brexit isso foi evidente, como hoje é claro que Hillary Clinton ficou longe das marcas de Obama no voto negro ou hispânico.

Hoje acordámos num mundo novo, como na ressaca do Brexit despertámos numa nova Europa. Mas enquanto a mudança no velho continente é mais lenta e até difícil de perceber, a mudança americana será mais rápida e profunda. E vai provocar ondas de choque por todo o mundo. Putin estará a abrir mais uma garrafa de champanhe, mas a guardar uma caixa para o que ainda está para vir. Ele percebeu bem como se pode ser popular invocando um passado difuso que mistura Czares com o Império Soviético, fazendo o povo ter saudades de tempos em que não contava para nada mas a mãe Rússia era “grande”. O que é ser “grande de novo”? Para Putin é baralhar o conflito sírio, é anexar a Crimeia, é mover um míssil nuclear para um território báltico, é pagar a hackers para divulgar mails de apoiantes de Hillary. E, já agora, financiar a campanha de Marine Le Pen para enfraquecer ainda mais a Europa.

E o que será a América “grande” que Donald Trump conhece? Ninguém sabe, mas será um retrocesso em muito do que mudou o mundo nas últimas décadas. Os primeiros sinais virão da economia e todos vão perceber que decisões unilaterais americanas mexem mesmo com o mundo todo. E depois da economia nada vai escapar ao abanão. Por vezes esquecemos que o mundo vive de equilíbrios muito instáveis em que as guerras e os conflitos vão sendo menos habituais. Isso não quer dizer que vai tudo correr mal, longe disso. Quer apenas dizer que muito do que damos por adquirido vai ser posto em causa ou parecer mais instável. Não é o princípio nem o fim do mundo. Mas é outra coisa.