Siga-nos

Perfil

Expresso

Não fazer nada

Numa daquelas variações ciclotímicas em que Portugal é especialista, trocámos num ápice um horizonte sombrio, que nos condenava ao definhamento, por sonhos de grandeza. Nem as razões para o pessimismo eram tão profundas nem nada nos garante que os amanhãs cantarão.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)