Siga-nos

Perfil

Expresso

Acordo. Que acordo?

  • 333

Ao contrário do que se diz, um mau acordo não é necessariamente melhor do que uma boa demanda. Hoje, é já possível distinguir os efeitos de um acordo entre PS, PCP e BE e o que poderá resultar deste processo negocial. No curto prazo, até pode ser que não se alcance um entendimento ou que, uma vez no poder, um governo de esquerda fracasse. Contudo, os ganhos da demanda no médio prazo são irreversíveis. Quatro décadas passadas, o comportamento dos partidos políticos ajustou-se à natureza de um sistema eleitoral proporcional, desenhado para impedir maiorias absolutas. A impossibilidade de gerar coligações à esquerda, enquanto as coligações à direita se tornaram naturais, estava a produzir um enviesamento na representação e um enquistamento social e político. A exclusão sistemática de uma parte significativa (tendencialmente crescente) do eleitorado do arco da governação traduzir-se-ia, mais cedo do que tarde, numa perigosa entropia do regime.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI