Siga-nos

Perfil

Expresso

Guia para um desejado impeachment de Trump

147 dias depois de ter tomado posse (a CNN conta-os, um a um), Donald Trump já fez o suficiente para se tornar, não apenas o Presidente ou o político, mas o cidadão americano que mais fez pelo desprestígio dos Estados Unidos no mundo. E não é só uma questão de políticas escolhidas, mas também tudo o resto: a pose, a imagem, os tiques de arrogância e autoritarismo, os comportamentos de novo-rico mimado. Trump é profundamente detestado e desprezado pela América que não votou nele — e a América que não votou nele foi maioritária na eleição (e hoje a sua taxa de popularidade anda nos 36%). Trump foi uma desgraça que aconteceu aos Estados Unidos e é uma ameaça para o mundo inteiro. Escrevi aqui, quando foi eleito, que a única esperança era o impeachement, e quanto mais cedo melhor para sossego de nós todos. Julgava então que o caminho para isso haveria de ser através da investigação dos seus negócios privados e do cruzamento de interesses entre eles e a função presidencial. Pode ser que isso ainda venha a acontecer, mas para já, a melhor hipótese é uma coisa que então se desconhecia: a pista russa. Proponho-me, de seguida, fazer um apanhado do que está em jogo, através das principais personagens, instituições e acontecimentos relevantes até à data.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)