Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

João Vieira Pereira

João Vieira Pereira (www.expresso.pt)

Andam a tramar-nos e nós a ver...

  • 333

Comecei a fazer uma lista de temas onde os sindicatos são extremamente eficientes. Por exemplo, são os melhores a contar o número de grevistas, são generosos a pedir aumentos salariais, são proactivos em relação às progressões na carreira, são eficientes em organizar cursos de formação para trabalhadores com fundos públicos e europeus, e são número um na defesa dos (supostos) interesses dos seus associados. Mas onde os sindicatos são mesmo, mesmo, mesmo, mesmo bons é a tramar-nos!

Os sindicatos são grupos de pressão organizados em torno do bem-estar do trabalhador. Esse bem-estar resume-se sempre à mesma equação, mais dinheiro. Se no fim do dia conseguirem um aumento nos salários dos seus associados (dos quais depende o seu orçamento e a sua sobrevivência), então tudo está bem. E se isto não é um desvio capitalista, anda lá muito perto. A eles não interessa saber se o Estado ou as empresas têm capacidade para pagar esses ordenados ou se as reivindicações podem levar à perda futura de postos de trabalho.

É no sector público que este comportamento abjecto atinge o seu máximo esplendor. O Estado, refém de não poder despedir e com o medo de perder votos, vai convivendo com os sindicatos, mais ou menos coniventes com o poder político. E o contribuinte que pague!!!

Por uma vez, gostava de ouvir os sindicatos dizer que têm um plano para redução da despesa pública, um plano desenhado pelos trabalhadores que todos os dias lidam com essa despesa e que só por isso tantas boas sugestões devem ter que digam respeito ao corte de custos.

Senhores sindicalistas, porque não pedir aumentos salariais e ao mesmo tempo apresentar medidas de contenção, para que no final o impacto no aumento da despesa seja nulo? Este é só um exemplo...

O contributo dos sindicatos para o futuro do país não é zero. Neste momento é negativo!

Poucos o dizem, mas o que aconteceu com o processo de avaliação dos professores é simplesmente inacreditável. O comportamento dos sindicatos foi, e continua a ser, criminoso para com toda uma geração futura. E os políticos, com medo de manifestações de 120 mil professores, calam-se. Nunca nesse processo pensaram nos alunos, mas apenas na manutenção de regalias de uma classe, independentemente do mérito.

Se não podemos ter melhores sindicatos, eu já ficava feliz se estes não existissem.

Texto publicado na edição do Expresso de 6 de Março de 2010