Siga-nos

Perfil

Expresso

Quente e frio

  • 333

Houve negociações, cedências e o Orçamento passou. Schäuble mostrou-se contrariado e, em abril, a agência de rating canadiana, tradicionalmente alinhada com o BCE, deverá fazer o que Draghi mandar. E isso ditará a continuação do financiamento do banco central a Portugal. Mais crítica, menos crítica, o Orçamento acabou por merecer a aprovação morna dos partidos mais à esquerda. Mas a verdade é que Costa foi obrigado a duas duras negociações paralelas, com a Europa e com a esquerda, enquanto era queimado vivo pelos media.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI