Siga-nos

Perfil

Expresso

Breaking bad

Cheira a napalm. E a revolução. Claro que ninguém esperava que a nova revolução fosse tão diferente das revoluções do século XX. A palavra é vermelha e convoca estrelas, foices e martelos, barbas, boinas, metralhadoras, protestos, greves. Marxismo-leninismo nas variações bolchevistas, maoistas, polpotistas, fidelistas e terroristas. Do outro lado da revolução escrevia-se a negro a palavra repressão, que convoca classes dominantes, vulgo os ricos, polícias, militares. A populaça estava de um lado ou do outro, resignada ou revolucionária, conforme o desejo de autopreservação. A revolução era de esquerda e lutava pela igualdade e a justiça social, vulgo os pobres, e recolhia a superioridade moral, e a repressão lutava pela propriedade e o privilégio e era de direita. Ninguém esperava que a revolução pudesse ser corporizada por um velho multimilionário.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)