Siga-nos

Perfil

Expresso

Clara Ferreira Alves

Meu caro João Soares

  • 333

Toda a gente diz defender o património, e quando se diz isto imaginam-se capelas e igrejas a cair, muros derrubados, fortalezas perdidas. Nunca, ninguém, se lembra do património literário

Clara Ferreira Alves

Clara Ferreira Alves

Escritora e Jornalista

Ao contrário das correntes sociais (li isto algures), não recebo o seu nome para ministro da Cultura com maus olhos. Sei o trabalho que fez na Câmara Municipal e sei que foi um ótimo vereador da Cultura. Conhecendo o seu trabalho e inclinações, venho por este meio trazer um empenho. Bem sei que ainda mal se sentou na cadeira e será cedo para empenhos. Antes que seja inundado com pedidos e convites, com projetos e ideias, com... enfim... empenhos, apresento o meu. É para alguns amigos e para outros que nunca conheci. É para essa coisa vaga e desaparecida que dá pelo nome de Literatura. E que foi abandonada, nos últimos anos, a outra coisa menos vaga que se chama mercado. Passo ao assunto.

Toda a gente em Portugal diz defender o património, e quando se diz isto imaginam-se capelas e igrejas a cair, muros derrubados, fortalezas perdidas. Nunca, ninguém, se lembra do património literário. E como os escritores raramente se põem na fila dos empenhos, e são os mais silenciosos dos “agentes culturais”, sobretudo os escritores mortos, venho por este meio recordar que temos um património literário. E uma porção de grandes escritores mortos ou enterrados vivos no esquecimento. Esqueça os “jovens”, os jovens defendem-se bem, têm prémios que ganham antes de saberem distinguir um adjetivo de um substantivo, têm a atenção das editoras que procuram o sabor do mês. Têm o Facebook. Pense nos velhos.

Comecemos por esse velho intelectual chamado Jorge de Sena. Um conselho: dê atenção ao espólio, o que se passa, o que há para salvaguardar. Há gente competente que sabe disto. Passo a Mário Cesariny de Vasconcelos. Convinha dar-lhe ao menos uma lápide funerária em homenagem em vez da tumba comum ou sonhos de mausoléu. Convinha, tanto neste caso como no outro, que existisse orçamento para uma coisa chamada Imprensa Nacional a funcionar como editora de referência dos clássicos portugueses. Uma editora que se ocupe de publicar ou republicar a obra completa de nomes como Vitorino Nemésio, David Mourão-Ferreira, Cesariny, Natália Correia, Alexandre O’Neill, Augusto Abelaira, Al Berto, etc., etc. E o Sena. E muitos, muitos mais. Deixei de fora o José Cardoso Pires, a Sophia, o Herberto, o Vergílio Ferreira e a Agustina Bessa Luís que foram (re)tomados pelas editoras no mercado. Honra lhes seja feita. O pior é que sem uma ação concertada de divulgação e promoção nada se sabe e as obras reeditadas e os escritores correm o risco de ser ignorados pelos leitores. Dou sugestões. Um site deste património (custa dinheiro) que o unifique com sentido crítico e de escolha e o torne disponível com contribuições de outros escritores que escrevam sobre os mestres. Usar as correntes sociais. Usar a rádio e a televisão públicas. Peço-lhe que dê atenção a um projeto chamado Voz, feito por um dos atuais administradores da RTP quando ainda não o era, e que ajudei a patrocinar quando estive na Casa Fernando Pessoa. O Voz tornou a poesia um fragmento de beleza e de humor, totalmente acessível ao grande público e partilhável. Ainda não havia internet como fenómeno totalitário de comunicação e a televisão pública deu àquilo uma atenção mínima, para variar. Reponha a poesia e a prosa no metro, no autocarro, no elétrico, ponha-a a esvoaçar por aí, não custa muito dinheiro, e os seus colegas dos Transportes poderão ser sensíveis a um verso camoniano, à Lisboa de Cesário, ao Douro de Agustina ou aos pobres de Raul Brandão, incluídos na dieta suburbana. Entre Lisboa e o Senhor Roubado pode ser que alguém preste atenção a uma quadra de soneto. Pode ser que a palavra escrita volte a ocupar o lugar donde foi escorraçada pela “mensagem” rápida. Pode ser que a palavra escrita pelos mestres volte a instalar-se nas nossas cabeças e nos nossos corações e nos obrigue a levantar os olhos do telemóvel. Que nos desperte do sono da estupidez. Pode ser.

Fale com os colegas da Educação. Eu sei que a ciência se tornou o chuchu e concordo. Mas a literatura é parte substantiva e estruturante (adoro esta palavra) da nossa identidade, da nossa memória, da nossa História. Não deixem o Camilo ser atirado para o lixo. Os programas obrigatórios não fazem nada pela literatura, ajudam a destruí-la. Dizem os miúdos: “Lá tenho que ler a chatice de ‘Os Maias’”. Passem a Literatura para os cursos superiores, transversal a todos os cursos, uma opção dos alunos, e tornem-na uma disciplina atraente, elegante, com um programa atraente. Um plus curricular. Convidem os escritores a falar regularmente nas universidades, inaugurem um programa de leituras e, por favor, subtraiam a Literatura, o poder extraordinário da frase, ao cientismo académico. Não deixem um parágrafo do Mário de Carvalho ser atropelado pelo estruturalismo. Como dizia o João Ubaldo Ribeiro, os escritores trabalham por “preço simbólico”. Gente mais barata não há. Ideias não faltarão. Pense nisso.
Atentamente,
Clara Ferreira Alves

Texto publicado na edição do Expresso de 28 novembro 2015