Siga-nos

Perfil

Expresso

Felicidade, felicidade

  • 333

Podíamos ter começado a ser felizes há tanto tempo que não se percebe. De uma penada, ficámos a saber que a austeridade acabou, que a consolidação orçamental se mantém, que os impostos não vão aumentar, que as medidas de reforço do Estado social não têm impacto orçamental, que as privatizações podem ser revertidas, que a justiça impera e que a única reforma do Estado é o aumento dos serviços do Estado e do pessoal do Estado. Vou ter um Serviço Nacional de Saúde sustentado e equilibrado, com reforço das carreiras do pessoal, dos serviços e das instalações, tudo isto sem custos acrescidos, sem cortes e sem pagamento de taxas moderadoras. Um SNS gratuito e universal e bem ministrado, com novos cuidados e transportes, que não nos vai sair do bolso. É verdade.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI