Siga-nos

Perfil

Expresso

Fizz – O mau da fita é outro

lusa

Eu tento ser uma pessoa simples, daquelas que não entendem bem a subtileza da política, como afirma Marques Mendes. E dentro desta minha condição um pouco básica, não percebo inteiramente as notícias do processo Fizz, que atinge um procurador e um ex-vice-Presidente de Angola. Menos ainda sei se os factos aportados para o processo são ou não verdadeiros

Deste pressuposto, parto para duas hipóteses: ou não houve crime e então Manuel Vicente, Orlando Figueira e os outros arguidos podem ir em paz; ou houve crime de corrupção e então não percebo o crédito que dão a Orlando Figueira. Porque a questão é esta: eu posso condenar, mas compreender, que uma alta individualidade de Angola ou de outro país, bem como o seu advogado e um amigo de sempre, tentem pagar a um magistrado português para se safar de um processo. O que tenho de condenar e nem sequer posso admitir é que um Procurador da República, a trabalhar no DCIAP, se deixe corromper e com isso coloque em causa a magistratura do país e a probidade da nossa Justiça. Que Vicente seja julgado é uma questão importante. Se há, ou não, mais implicados no crime, é outra. Mas que Orlando Figueira se passeie em Tribunal tentando fazer de todos nós tolos, é infinitamente mais grave.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)