Siga-nos

Perfil

Expresso

Agora a sério: quem manda aqui?

Isto não é uma crise passageira, nem dois azares consecutivos, isto são as consequências dramáticas de um Estado que esteve cismado na questão financeira que ele próprio criou. Não apenas porque se cortou despesa sem reformar coisa alguma, mas também porque desaprendemos toda a linguagem que não seja a do dinheiro. Quando há uma semana perguntaram a Azeredo Lopes afinal qual é o papel de um ministro, ele respondeu à primeira: alocar recursos. É sintomático.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido