Siga-nos

Perfil

Expresso

Abacates e prazeres da carne

Esta vaga de cosmopolitismo pop que varre as cidades portuguesas faz muitos vacilar nas ementas dos restaurantes design. Podemos manter uma postura “orgulhosamente tradicionalista”, o que equivale a dizer “cena de velho”, ou tentar perceber o que ali se diz, sem colocar um ar condescendente — que é exatamente o que me fizeram quando tinha 20 anos e garanti que sim, “sushi, sendo peixe cru, era uma comida”. Hoje fico estupefacto como se debate numa mesa de um restaurante japonês todas as vertentes da fusão. Quando me perguntam do que gosto, escondo o meu total desconhecimento num esgar arrogante: “Sou um tradicionalista, só como sushi.” E mato a conversa: “Fui dos primeiros a aderir em Lisboa, na Rua das Trinas, ao Aya... em 1989...” e calo-me.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)